Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Tornozeleira eletrônica de deputada Flordelis teve oito violações em um mês, aponta relatório da Seap

Todas intercorrências aconteceram no último mês de março. Deputada deixou que aparelho ficasse mais de 13 horas desligado. Defesa não se pronunciou sobre irregularidades até publicação da reportagem.

A deputada federal Flordelis teve oito violações na tornozeleira eletrônica que faz o seu monitoramento como medida cautelar estabelecida pela Justiça. Todas as intercorrências aconteceram no último mês de março.

Entre as transgressões, a deputada deixou que o aparelho ficasse mais de 13 horas desligado. As informações constam em um relatório da Central de Monitoração Eletrônica da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).

A reportagem procurou a defesa da parlamentar, mas até a publicação desta reportagem não obteve resposta sobre as violações cometidas.

Outras violações

Em outro relatório da Seap, que analisa o período entre 8 de outubro de 2020 e 8 de dezembro de 2020, a deputada violou cinco vezes as medidas impostas pela Justiça. Entre as irregularidades, estão o rompimento da cinta de proteção do aparelho e o uso do equipamento sem bateria.

Entre o dia 8 de dezembro de 2020 e o dia 23 de fevereiro de 2021, a Seap registrou 7 situações da tornozeleira estar sem bateria.

Ainda de acordo com a pasta, diversas ligações foram feitas pela Seap para o telefone da parlamentar para entender o que estava acontecendo. Em algumas ocasiões, ela foi orientada a manter a tornozeleira carregada. Em outras, no entanto, os agentes não obtiveram contato.

Intimada a colocar tornozeleira

Flordelis exibe tornozeleira durante culto — Foto: Reprodução

Flordelis exibe tornozeleira durante culto — Foto: Reprodução

Flordelis recebeu o equipamento em outubro de 2020 após ser intimada pela Justiça para se apresentar à Secretaria de Administração Penitenciária (Seap-RJ).

Ela é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo, morto a tiros em junho de 2019. Ela nega as acusações.

Sete filhos e uma neta da deputada também respondem pelo crime.

Flordelis só não foi presa por ter imunidade parlamentar. No entanto, um processo por quebra de decoro está em andamento em Brasília, o que pode acarretar na perda de seu mandato.

G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas