Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Taxistas fecham ponte em Feijó para reivindicar melhorias e reparos na BR-364

_________________Publicidade_________________

Um grupo de taxista fechou a BR-364, na ponte do Ciência, quilômetro 2, na saída de cidade de Feijó, no interior do Acre, na manhã desta quarta-feira (8). A categoria reivindica a presença de representante do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e cobram reparos na rodovia que está em condições precárias, com muitos buracos.

“A gente fechou a BR aqui. Está se aproximando o inverno e ninguém está vendo manutenções. A nossa reivindicação é totalmente pacífica, fechamos às 7h e nosso movimento é pacífico até que apareça alguém do Dnit para dar uma solução”, disse o presidente do sindicato dos taxistas na cidade, Antônio Adriano.

O representante da categoria disse ainda que a maior preocupação não é com a situação atual, eles temem a chegada do período chuvoso que deve agravar a situação. Adriano afirma ainda que devido os buracos, as viagens tiveram o tempo dobrado.

“Trecho que a gente fazia em 1h30, agora fazemos em três horas. Está o dobro do tempo e a preocupação nem é como está, é como vai ficar já que está entrando o inverno e não tem mais tempo de fazer muita coisa. São muitos buracos, temos que fazer manutenção sempre nos carros, o preço da gasolina horrível e também aumenta o consumo porque você tem que estar saindo, reduzindo. Então, há um prejuízo para o taxista, freteiros e todos esses trabalhadores estão no prejuízo”, lamentou.

Buracos na pista são o reflexo da BR-364 — Foto: Juan Diaz/Arquivo pessoal

Buracos na pista são o reflexo da BR-364 — Foto: Juan Diaz/Arquivo pessoal

O que diz o Dnit

Ao G1, o superintendente do Dnit no Acre, Carlos Morais, disse que a 364 passa por trabalho de reparos e que há frentes de trabalhos em vários pontos, mas que as condições da via requerem uma reconstrução e até que isso aconteça, deve continuar ruins.

“É legitima a manifestação, a rodovia realmente tem pontos críticos. A gente está trabalhando desde o início do verão. Só que a BR-364 tem um problema muito grande e enquanto ela não for reconstruída, a gente resolve parcialmente no verão e quando chega o inverno a situação piora muito. Mas, a gente está trabalhando. Somos cientes do problema, e estamos trabalhando na nossa máxima capacidade., explicou.

Morais disse que a BR é dividida em oito lotes, por segmentos e em todos os lotes há frentes de trabalho, principalmente o trecho entre as cidades de Sena Madureira e Feijó, que é um dos mais críticos.

“Mas, tem orçamento, o verão é curto, tem o tipo de contrato que tenho lá que não é de reconstrução ainda, estamos em processo de licitação para contratar o o projeto de reconstrução. É legitimo o movimento, mas não muda o que estamos fazendo. E esse ponto é o que eles mais reclamam e no inverno a situação piora, mas a gente não para também para que não vire atoleiro”, concluiu.

Erosão consome parte da rodovia — Foto: Juan Diaz/Arquivo pessoal

Erosão consome parte da rodovia — Foto: Juan Diaz/Arquivo pessoal

Viagem difícil

A viagem entre a capital acreana, Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, que tem uma distância estimada de mais de 600 quilômetros, ainda é um desafio devido aos muitos buracos e erosões na pista.

O trajeto pela BR-364, que corta alguns municípios, como Sena Madureira, Feijó, Tarauacá e Manoel Urbano, até chegar a Cruzeiro do Sul, geralmente é feito em um período de 10 horas, mas, com as condições da pista ruim em boa parte da rodovia, a viagem pode durar até 14 horas, ou seja, 4 horas a mais do que o normal.

Com a situação crítica durante o verão, a estrada tem maiores problemas na época do inverno. Neste ano, no mês de fevereiro, a BR chegou a ficar quatro dias interditada, e passou por intervenções de elevação depois que as águas do igarapé Cajazeiras invadiram a pista durante a enchente dos Rios Iaco e Caeté, no quilômetro 280.

Após dois meses, o tráfego no trecho de aproximadamente 100 metros foi interrompido novamente no para retirada do aterro de pedras colocado no local em fevereiro.

Por G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas