Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Sindicato das autoescolas no AC esclarece demora na conclusão em processos; nota anuncia reajuste e mutirão com Detran

_________________Publicidade_________________

O Sindicato da Auto Moto Escolas e Centro de Formação de Condutores do Estado do Acre (Sincoauto-AC) tem enfrentado dificuldades nos trâmites de processos. Em nota, a instituição detalha os motivos e afirma que tem sofrido os efeitos da pandemia nas tratativas.

De acordo com o esclarecimento, ao longo do período da pandemia de Covid-19, “os Centro de Formação de Condutores (autoescolas) tiveram uma paralisação de suas atividades por seis meses, sendo cinco meses em 2020 – março a agosto – e um mês em 2021 – fevereiro.

“Na ocasião do fechamento devido ao Decreto Governamental, todos os CFC’s estavam com turma em andamento ou prestes a iniciar. No retorno, em agosto de 2020, após conversas com equipe de governo, o Sincoauto conseguiu que o setor fosse reclassificado e voltasse a funcionar na fase Laranja”, esclarece.

O sindicato afirma ainda que procurou o Detran e a reunião foi positiva: “Graças ao bom relacionamento que se construiu entre a Diretoria do Sincoauto e Conselho Diretor do DETRAN e também devido ao avanço da região do Baixo Acre para fase Verde, possibilitou a realização de um mutirão no mês de novembro, em que o SINCOAUTO e o DETRAN pretendem zerar a fila de espera para provas práticas de quatro rodas”, afirma a nota.

Reajuste

Em nota anexa, o sindicato ainda fala acerca de um reajuste. “Informamos à população em geral que de 18 a 25 de outubro, estaremos realizando reajuste em nossas tabelas de serviços. Aproveitamos para informar que estamos em uma parceria junto ao Sebrae/AC, para procurar uma forma de criarmos um índice de reajuste conforme o comportamento do mercado”.

O motivo é o impacto causado pela pandemia. “Tentamos segurar o aumento nos valores de nossos serviços. Mas devido aos constantes aumentos nos valores de veículos, energia, custo de manutenção de frota e, principalmente, de combustíveis, o setor não teve mais como suportar esses constantes aumentos e decidiu por reajustar seus preços, para assim conseguir continuar prestando serviço com qualidade à população do nosso Estado”, diz a nota.

Via-Contilnet

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas