Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Silicone nos seios: busca por retirada da prótese tem alta com chegada de novos padrões estéticos e surgimento de doença autoimune

_________________Publicidade_________________

Fenômeno nos anos 2000, implante passou por mudanças tecnológicas que o deixaram mais seguro, mas ele ainda precisa de acompanhamento anual por um médico especializado.

“Existiu uma fase que a gente não conhecia todos os efeitos a longo prazo de colocação de implante de silicone. Essa é a verdade”.

A frase de Maira Caleffi, chefe do serviço de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, é a explicação para um período anterior da história do silicone, quando o procedimento ultrapassou a lipoaspiração e passou a ser o mais popular do Brasil. Hoje, o implante continua com alta procura, mas também está em ascensão a busca para a sua reversão pelas pacientes que já fizeram o procedimento.

A cirurgia plástica para o aumento do seio ainda é a mais comum do país, segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica (dados mais recentes, colhidos em 2019), com 211.287 procedimentos por ano. Por outro lado, a retirada do silicone registrou 19.355 cirurgias, com uma alta de 33% em relação ao ano anterior.

Mesmo que a cirurgia para colocar a prótese ainda seja a mais frequente (15% do total no mundo), os dados sinalizam uma possível mudança de comportamento: a retirada do silicone já está na lista das 20 intervenções mais procuradas (2% do total) – em 2010 nem era mencionada no relatório.

G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas