29 de junho de 2022   |   08:31  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Servidora pública mantida em cárcere privado por cacique em aldeia no AC deve voltar para o Paraná

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira (6), que a servidora pública do Paraná (PR) mantida em cárcere privado e agredida na Aldeia Grota, zona rural de Feijó, interior do Acre, dever voltar para casa no estado paranaense nesta terça (7).

_________________Publicidade_________________

A Polícia Civil divulgou, nesta segunda-feira (6), que a servidora pública do Paraná (PR) mantida em cárcere privado e agredida na Aldeia Grota, zona rural de Feijó, interior do Acre, dever voltar para casa no estado paranaense nesta terça (7). O suspeito dos crimes é um cacique de 50 anos da aldeia, com quem ela tinha um relacionamento há mais de um ano.

Ele foi preso na última sexta (3) por lesão corporal, cárcere privado e maus-tratos na terra indígena. A aldeia fica a uma distância de quatro horas de barco da zona urbana de Feijó.

A prisão foi acompanhada por equipes do Ministério Pública do Estado, Corpo de Bombeiros e pelo chefe substituto da Coordenação Técnica Local (CTL) da Fundação do Índio (Funai) do município, José Augusto Brandão.

O delegado responsável pelo caso, Railson Ferreira, informou que a vítima passou por alguns exames e deve voltar para o Paraná nesta terça (7). A mulher passou por avaliações médicas e psicológicas também.

“O cacique preso foi encaminhado ao Presídio Moacir Prado, na cidade de Tarauacá. A investigação ainda está em curso, produziremos outras provas e encaminharemos o inquérito policial à autoridade judiciária”, resumiu.

Denúncia de maus-tratos

Segundo as investigações, a mulher tem 42 anos e morava há cerca de um ano com o indígena na aldeia. Ela é servidora pública do Tribunal Regional Trabalho (TRT), veio para o Acre há mais de um ano, se envolveu com o suspeito e acabou ficando no estado acreano.

Ainda segundo as investigações, a vítima sofria agressões físicas e psicológicas praticadas pelo indígena desde o início do relacionamento. Em 2021, a Polícia Civil já tinha recebido denúncias do crime, uma equipe foi até a aldeia, mas o homem não foi preso por falta de provas.

“É muita coisa, ela está toda lesionada, essas agressões não são de hoje, eu estive ano passado lá só que a gente não conseguiu perceber o crime porque ela era outra pessoa. Era saudável e agora está muito debilitada, muito magra com o rosto lesionado”, acrescentou.

Ferreira falou também que a vítima foi proibida pelo indígena de ter acesso ao aparelho celular, internet e outros meios de comunicação. “Há vários relatos das agressões, mas não consegui configurar porque ela não conta a verdade”, disse na última sexta.

Ele passou por audiência de custódia ainda na sexta e uma juíza manteve a prisão preventiva do indígena.

Por G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS