16 de agosto de 2022   |   20:59  |  

booked.net

,

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Sem dinheiro e enfrentando pandemia, acreano é o 2º que menos gastou com viagem no país

Ao menos 6.820 turistas estrangeiros estiveram no Acre em 2020, segundo PNAD Contínua Turismo 2020-2021, divulgada hoje (6) pelo IBGE.

_________________Publicidade_________________

Ao menos 6.820 turistas estrangeiros estiveram no Acre em 2020, segundo PNAD Contínua Turismo 2020-2021, divulgada hoje (6) pelo IBGE. A pesquisa, fruto de uma parceria com o Ministério do Turismo, é realizada desde 2019. Esse número representa apenas 0,3% do total de turistas que estiveram no Brasil naquele ano, auge da pandemia da Covid-19.

No País, os dados são inferiores ao esperado. “Os resultados refletem os impactos causados pela pandemia no comportamento das pessoas em relação às atividades turísticas. As viagens caíram 41% entre 2019 e 2021 e essa queda atingiu todas as classes de rendimento. O ano de 2021 foi ainda pior para o turismo que o de 2020”, aponta a analista da pesquisa, Flávia Vinhaes. Em 2019, foram realizados 20,9 milhões de viagens e, em 2021, 12,3 milhões.

A pesquisa revela que o acreano gasta pouco com turismo. Em média, segundo o IBGE, o gasto foi de R$119 com pernoites em viagens nacionais, a 2ª menor despesa com turismo no País em 2020, perdendo apenas para Roraima, onde o gasto foi de R$57.

Com baixa renda e prejudicado pela pandemia, o acreano praticamente não viajou. Essa escassez de recursos como motivo para não viajar cai à medida que os rendimentos domiciliares per capita crescem. Entre aqueles brasileiros que ganham até meio salário mínimo, não ter dinheiro foi apontado por 44,4% em 2021. No ano anterior, esse percentual era ainda maior: 47,9%. Entre os que têm rendimento de quatro salários mínimos ou mais, a falta de dinheiro aparece na penúltima posição entre os motivos alegados para a não realização de viagem, atrás apenas de problemas de saúde, que foram citados por 2,8% dos entrevistados desse grupo. Em 2021, o motivo mais apontado pelas pessoas dessa classe de rendimento foi Outro, com 44,8%, seguido pela falta de necessidade (15,0%).

Com informações Ac24Horas

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS