Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Salário do brasileiro tem maior perda real em um ano no mês de julho, diz Fipe

_________________Publicidade_________________

Com a inflação se sustentando em patamares elevados e o crescimento econômico em compasso de espera, as negociações salariais estão muito difíceis para o trabalhador brasileiro e o último mês de julho foi o pior neste quesito nos últimos 12 meses.

É o que mostra o Boletim Salariômetro, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) sob coordenação do economista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Hélio Zylberstajn.

O levantamento mostra que, em julho, o reajuste mediano ficou 1,6 ponto percentual abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e apenas 27,5% das negociações resultaram em ganhos reais.

Isso porque a correção mediana no último mês ficou em 7,6%, enquanto a inflação acumulada chegou a 9,2%, o quer dizer, na prática, que houve perda real de 1,6% nos salários durante o último mês.

Ademais, com custos como energia, combustível e alimentação, que têm forte representatividade no INPC, subindo cada vez mais, a tendência, explicitada no relatório é que este quadro não apresente mudanças no curto prazo.

Projeções do Itaú e do Santander presentes no relatório mostram que o índice deve chegar a 9,9% em agosto e romper a barreira dos 10% em setembro, se mantendo em pelo menos 7% até março do ano que vem no caso do Itaú e maio no caso do Santander.

Em termos setoriais, apenas o segmento de comércio atacadista e varejista conseguiu reajuste com ganho real (9,5%), enquanto bancos e serviços financeiros (9,2%) empataram com a inflação.

Analisando por estado, trabalhadores do Rio Grande do Sul (9,5%) e de Santa Catarina (9,4%) conseguiram ter ganho real, enquanto os do Paraná (9,2%) zeraram as perdas. São Paulo vem a seguir, com 8%.

Política de reajuste

Apesar de não reconhecer que mudou a política do salário mínimo, vem reajustado o piso apenas com a variação da inflação mesmo antes da pandemia, com o argumento de que precisa preservar o ajuste fiscal. Para 2022, a previsão é de que o valor chegue a R$ 1.147 ante os atuais R$ 1.100.

Tradicionalmente, os reajustes do mínimo são calculados a partir do aumento do INPC somado da variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Criada pelo governo Lula, essa regra virou lei em 2012, durante o governo Dilma, mas expirou em 2019.

Durante esse período, o salário mínimo não teve aumento acima da inflação em 2017 e 2018, já que o cálculo considerou os anos de 2015 e 2016, respectivamente, quando o país estava em recessão.

Via – CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas