2 de julho de 2022   |   12:46  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Rússia está prestes a interromper fornecimento de parte do gás da Alemanha

Anúncio ocorre um dia depois de o país cortar o envio do combustível para empresas dinamarquesa e holandesa devido à falta do pagamento em rublos.

_________________Publicidade_________________

A Rússia está prestes a interromper o fornecimento de gás natural aos clientes alemães da Shell.

A Gazprom, gigante estatal russa de energia, disse nesta terça-feira (31) que suspenderia as exportações de gás natural para a Shell a partir de quarta-feira (1º), porque a empresa não fez os pagamentos em rublos.

“A Shell Energy Europe Limited notificou a Gazprom Export LLC que não pretende fazer pagamentos em rublos sob o contrato de fornecimento de gás à Alemanha”, disse a Gazprom em nota publicada em sua conta do Telegram.

A Gazprom afirmou que a Shell perderia até 1,2 bilhão de metros cúbicos de fornecimento anual de gás –apenas uma pequena fração dos 95 bilhões de metros cúbicos que o país consome a cada ano, de acordo com o Ministério da Economia da Alemanha.

Mas o movimento da Gazprom ainda deve abalar a indústria alemã, que depende fortemente do gás de Moscou. O país já conseguiu reduzir a participação da Rússia em suas importações de gás natural para 35%. Antes do início da guerra, era de 55%.

Um porta-voz do governo alemão disse à CNN que estava “monitorando a situação muito de perto”. “A segurança do fornecimento é garantida”, assegurou.

O anúncio da Gazprom ocorre apenas um dia depois de dizer que interromperia o fornecimento de gás para a empresa de energia dinamarquesa Ørsted e para a empresa holandesa GasTerra, e semanas depois de fechar as torneiras para a Polônia, Bulgária e Finlândia.

Em março, o presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou interromper as entregas de gás a países “hostis” que se recusassem a pagar em rublos, em vez de euros ou dólares conforme previsto em contratos.

Desde então, a Gazprom tem oferecido uma solução aos clientes. Os compradores poderiam fazer pagamentos em euros ou dólares em uma conta no Gazprombank, da Rússia, que então converteria os fundos em rublos e os transferiria para uma segunda conta da qual seria feito o pagamento à Rússia.

Mas muitas empresas europeias, incluindo a Shell Energy, se recusaram a aceitar.

“A Shell não concordou com os novos termos de pagamento estabelecidos pela Gazprom”, disse um porta-voz da Shell na terça-feira. “Trabalharemos para continuar a abastecer nossos clientes na Europa por meio de nosso diversificado portfólio de fornecimento de gás”.

A GasTerra, da Holanda, também disse em comunicado na segunda-feira que não cumpriria os “requisitos de pagamento unilateral” da Gazprom.

Henning Gloystein, diretor de Energia, Clima e Recursos do Eurasia Group, declarou à CNN que esse último corte no fornecimento não representa uma “grande perda de receita” para a Gazprom, já que as exportações para a Shell Alemanha representaram menos de 1% do total de exportações da Rússia para a União Europeia no ano passado.

“Por outro lado, as empresas de energia europeias que dependem muito mais do fornecimento russo […] mudaram amplamente para o novo mecanismo de pagamento da Gazprom para proteger suas operações”, acrescentou.

Por CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS