Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Rússia aumenta poderio militar no Ártico e deixa EUA em alerta

Recentemente, Moscou expandiu a pista de sua base aérea de Nagurskoye; Putin ameaçou 'arrancar os dentes' de estrangeiros que buscam partes do território russo

_________________Publicidade_________________

O avião militar russo pousou com vento forte e neve fraca, depois de deslizar pela pista gelada. O fato de o grande avião de passageiros Ilyushin Il-76 poder pousar no arquipélago em Franz Josef Land, no meio do Oceano Ártico, é uma prova do crescente poderio militar de Moscou nesta parte remota do mundo.

A Rússia recentemente expandiu a pista de sua base aérea de Nagurskoye, no Ártico, para 3.500 metros de comprimento, o que significa que pode pousar e reabastecer a maioria de seus aviões militares aqui, incluindo caças a jato usados para patrulhar os céus polares.

Questionado se isso também significava que bombardeiros estratégicos pesados da Rússia, como o TU-95 “Bear”, eram capazes de operar a partir daqui, o major-general, Igor Churkin, orgulhosamente confirmou que sim. “Claro que podem”, falou, apontando para um gráfico de instruções da base. “Dê uma olhada. Podemos pousar todos os tipos de aeronaves nesta base.”

As forças armadas da Rússia concederam a organizações de mídia, incluindo a CNN, acesso raro ao posto avançado dos militares no extremo norte da ilha de Alexandra Land, no início desta semana – talvez em uma demonstração de força antes de uma reunião do Conselho Ártico, um grupo de alto nível formado por oito nações da fronteira com a região polar norte, onde este ano a Rússia assumiu a presidência do Conselho. Esta uma de um número crescente de bases árticas que a Rússia construiu ou atualizou nos últimos anos.

A construção da base, conhecida como Trevo Ártico, foi concluída em 2017. Ela fica a apenas 160 milhas (257 quilômetros) a leste da parte mais oriental do arquipélago Svalbard, da Noruega – território que pertence à OTAN.

A nova base foi construída para abrigar cerca de 150 soldados e foi projetada para garantir que a Frota do Norte da Rússia seja autônoma e autossuficiente. Isso tudo é parte do que o presidente Vladimir Putin diz ser um esforço fundamental para reforçar a presença de Moscou no Ártico e garantir o “futuro” da Rússia.

A base tem o que os russos descrevem como uma estação de radar de última geração para monitorar os movimentos de navios e aeronaves da OTAN. O comandante da aeronáutica disse que as tropas aqui frequentemente rastreiam aeronaves americanas e outras que consideram adversárias. O exército russo também desfilou para jornalistas e revelou dois poderosos foguetes de defesa costeira, que segundo eles podem atingir navios ou alvos terrestres a mais de 320 quilômetros da costa.

“Ainda ontem, vimos um avião de reconhecimento da OTAN. Acompanhamos por quatro horas, transmitindo todas as informações aos centros de comando superior, as posições do avião e sua trajetória, em que direção estava indo”, disse Churkin. “O inimigo não passará despercebido.”

CNN não conseguiu verificar de forma independente suas alegações. Mas está claro que a grande competição pelo poder está esquentando no Ártico, e a Rússia vê essa base como um recurso fundamental nessa luta.

Poderio militar preocupa EUA

A Casa Branca tem observado o crescimento militar da Rússia com preocupação crescente. À frente do Conselho do Ártico, o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que os EUA estão “preocupados com algumas das atividades militares crescentes no Ártico”.

Blinken ficou frente a frente pela primeira vez como Secretário de Estado com seu homólogo russo Sergey Lavrov nesta quarta-feira (18), à margem do Conselho do Ártico em Reykjavík. Blinken disse que “não é segredo” que os EUA e a Rússia “têm diferenças”. Lavrov respondeu dizendo que a Rússia estava preparada para discutir “todas as questões sobre a mesa”, mas acrescentou que “divergimos muito quando se trata de nossa avaliação da situação internacional e nossas abordagens sobre como devemos resolvê-la”.

Vladimir Putin
O presidente da Rússia, Vladimir Putin

Putin ameaçou nesta quinta-feira (20) “arrancar” os dentes de inimigos estrangeiros que querem “arrancar” partes do território russo. Sem nomear ou especificar ninguém, Putin disse que os críticos reclamaram que os vastos recursos energéticos de seu país pertencem apenas à Rússia e que desenvolver as Forças Armadas russas é a única solução.

“Eles devem saber, aqueles que vão fazer isso, que vamos arrancar os dentes de todos para que não possam morder mais (…) e a chave para isso é o desenvolvimento de nossas Forças Armadas”, disse ele durante uma teleconferência.

Reivindicações territoriais

A Rússia não mediu esforços nos últimos anos para expandir suas reivindicações territoriais na região. Em 2007, mergulhadores russos em um submersível plantaram uma bandeira russa no leito marinho do Oceano Ártico, no Pólo Norte.

A medida foi criticada pelo então ministro canadense das Relações Exteriores, Peter MacKay, que disse: “Este não é o século 15. Você não pode dar a volta ao mundo e simplesmente fincar bandeiras e dizer: ‘Estamos reivindicando este território.'”

A bandeira pode ter sido um movimento simbólico, mas desde então a Rússia tem fortalecido metodicamente seus aeródromos e bases em vários locais da costa ártica. O centro nevrálgico do avanço russo no Ártico é sua Frota do Norte, com sede na cidade militar fechada de Severomorsk, na costa do Mar de Barents, a 830 milhas de Alexandra Land. 

A Frota do Norte adquiriu recentemente uma variedade de novos navios e submarinos para aumentar sua capacidade, mas também tem caças, sistemas de defesa aérea e recursos de inteligência sob seu comando, disse o chefe da Frota do Norte à CNN durante a viagem.

De acordo com a Lei do Mar da ONU (UNCLOS), as nações costeiras com território dentro do Círculo Ártico têm jurisdição para explorar os recursos naturais dentro de 200 milhas náuticas de suas linhas de base costeiras. No entanto, para reivindicar o controle de uma parte maior do fundo do mar, os países podem enviar evidências científicas à ONU de que suas plataformas continentais foram ampliadas.

Em março deste ano, Moscou também apresentou dois novos adendos à ONU, visando ampliar a definição internacional dos limites de sua plataforma continental.

A principal razão para o aumento das tensões no Ártico é o aquecimento global. À medida que as temperaturas aumentam e as calotas polares derretem, uma parte maior do Ártico está se tornando acessível tanto para operações militares quanto para atividades econômicas. A Rússia percebeu rapidamente que seu extremo norte logo se tornaria uma nova fronteira, então desenvolveu uma estratégia importante para desenvolver a área.

Isso se baseia em três pilares principais: força militar, domínio da Rota do Mar do Norte – uma rota comercial cada vez mais viável entre o Ocidente e a Ásia à medida que o gelo polar recua – e a exploração de recursos naturais como gás e minerais no Ártico. As reivindicações de Moscou sobre o Ártico têm mérito, já que cerca de 53% da costa do Oceano Ártico é território russo.

Dias antes de Lavrov, o Conselho do Ártico reiterou a reivindicação da Rússia sobre a área. “Ficou absolutamente claro para todos por muito tempo que este é o nosso território, esta é a nossa terra e somos responsáveis pela segurança de nossa costa ártica. Tudo que nosso país faz lá é absolutamente legítimo.” Dmitri Trenin, diretor do Carnegie Moscow Center, disse à CNN que grande parte dos interesses da Rússia é colher as “riquezas econômicas” da região.

Alguns especialistas acreditam que cerca de um quarto das reservas mundiais de petróleo e gás não descobertas podem estar localizadas na região do Ártico, e a Rússia deseja explorá-las. Moscou já construiu uma instalação de gás natural liquefeito e uma instalação de transporte na península de Yamal, no norte da Rússia. O projeto depende fortemente da cooperação com a China, que também está de olho na região recém-acessível. Pequim até se declarou um “Estado próximo ao Ártico” em 2018, para desespero dos Estados Unidos.

“Eu deixei claro que é uma ficção comunista para a China ser uma” nação próxima do Ártico “quando você está a 900 milhas do Ártico. O nariz deste pangolim sob a tenda do Ártico durou muito tempo. Nós evocamos a realidade simples. #ChinaIsNotNearArctic “, disse o então secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em um tweet em janeiro deste ano.

Base russa no Ártico foi construída pela União Soviética nos anos 50 e reformada
Base russa no Ártico foi construída pela União Soviética nos anos 50 e reformada em 2015

Corrida pelo Ártico não é recente 

A corrida pelo Ártico já gerou disputas entre a Rússia e os aliados da OTAN. Em 2018, os EUA navegaram com um porta-aviões no Oceano Ártico pela primeira vez desde o colapso da União Soviética como parte de massivos exercícios militares da OTAN.

“As forças armadas americanas e da OTAN se acostumaram a realizar exercícios regulares sozinhos ou em grupos de navios de guerra de superfície. Não temos isso desde a era pós-Segunda Guerra Mundial”, disse o almirante Alexander Moiseyev, comandante da Frota do Norte da Rússia. durante a breve visita da CNN a Severomorsk.

Essa competição entre a Rússia e o Ocidente provavelmente veio para ficar, e a razão é simples, de acordo com Trenin, do Carnegie Moscow Center. “Há coisas a serem exploradas, áreas onde você pode ganhar dinheiro de verdade, muitos recursos disponíveis lá, gás natural e metais raros, então a Rússia está desenvolvendo isso”, disse ele.

Mas Trenin acrescentou que também há um “elemento militar poderoso” na expansão da Rússia no Ártico. “Se você olhar para o globo, em vez de para o mapa, perceberá que a rota mais curta entre as bases de mísseis dos EUA e os alvos russos não é sobre o Atlântico, mas sobre o Ártico.”

“E da mesma forma para os mísseis russos apontados para alvos americanos”, completou.

via-CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas