Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

RS registra morte de caminhoneiro com cepa do Peru da Covid-19

Especialista explica que variante C37 é investigada pela OMS e tem sido reportada na região dos Andes, mas pondera tratar-se de caso isolado no país

_________________Publicidade_________________

Um jovem de 23 anos, morador de Itaqui, na região Noroeste do Rio Grande do Sul, morreu nesta quarta-feira, diagnosticado com uma variante de origem peruana do novo coronavírus, a C37. Jairo Diaz Piazer Junior foi internado no hospital da cidade natal em 21 de maio. Dois dias depois, foi transferido para o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, onde veio a confirmação do contágio pela cepa andina. Desde então, ele respirava por ventilação mecânica e o quadro de saúde era grave. 

A Secretaria Municipal de Saúde de Itaqui acredita que o jovem foi contaminado na Argentina. Conforme o prefeito Leonardo Betin (PL), Jairo fez um trajeto muito comum entre os transportadores de carga da cidade: “Os caminhões costumam sair do município levando arroz ou soja para São Paulo e, na volta, trazem materiais e equipamentos para entregar na Argentina. Ele voltou para Itaqui com sintomas”.  

Ainda de acordo com o gestor da cidade de cerca de 35,5 mil habitantes, logo após ser diagnosticado com Covid-19, o rapaz informou que só teve contato com os pais, que foram monitorados por equipes de saúde e ficaram isolados por duas semanas. 

De acordo com o doutor em Genética e Biologia Molecular Fernando Spilki, a C37 é uma variante em investigação pela Organização Mundial da Saúde e tem sido reportada na região dos Andes. Ela teria entrado no território argentino pela Província de Jujuy, no norte do país. “A gente não tem dados tão robustos assim. Temos uma primeira pista sobre a a capacidade alta de contágio porque ela conseguiu se disseminar mesmo na presença de P1 [que era predominante na Argentina]. Isso é um indício”, explica o virologista.

Spilki acredita que o caso registrado em Itaqui não deve ser responsável pela introdução da cepa no Brasil, por ser isolado. “Preocupa muito as outras entradas de centenas de pessoas ao dia, que cruzam a fronteira, muitos desse ambiente do transporte de cargas e que viajam pela Argentina”, completa.

O Ministério da Saúde se manifesta sobre as variantes apenas no final da semana e mesmo assim apenas das variantes que julga preocupantes. Há registro de outros casos de Covid-19 causada pela cepa de origem peruana na Bahia.

via-CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas