Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Projeto que atende crianças vítimas de violência no AC leva nome de Rhuamm, morto pela mãe

Iniciativa faz parte de parceria entre Defensoria Pública do Acre e o município, por meio das secretarias de Educação e Assistência Social e Direitos Humanos. Projeto tem como base experiências das instituições no caso do menino Rhuan Maycon, que foi esquartejado pela mãe e a companheira dela em 2019.

_________________Publicidade_________________

Crianças de 2 a 5 anos em situação de vulnerabilidade extrema e vítimas de violência são o alvo do “Projeto Rhuamm”. A iniciativa faz parte de uma parceria entre Defensoria Pública do Acre e o município, por meio das Secretarias de Educação e Assistência Social e Direitos Humanos.

O nome do projeto vem de “Rede Humanizada de Apoio a Meninas e Meninos”, mas também faz referência ao caso do menino Rhuan Maycon, de 9 anos, que foi brutalmente assassinado pela mãe e pela companheira dela em 2019.

Elaborado pelo Núcleo da Cidadania da Defensoria Pública do Acre, o projeto tem como base a experiência da instituição com a demanda do caso do pequeno Rhuan.

Na época, a DPE-AC, por meio do defensor público Celso Araújo, em parceria com a Defensoria Pública do Distrito Federal, ingressou com ação judicial para auxiliar a família paterna da criança a dar encaminhamento aos trâmites referentes ao traslado do corpo.

Conforme os órgãos envolvidos, o objetivo do projeto é formar e capacitar profissionais, estabelecendo uma rede multidisciplinar e interdisciplinar que esteja apta a acolher e dar atendimento a crianças vítimas de violência da faixa da primeira infância.

O projeto prevê ainda a criação de uma metodologia e de um curso de 90 horas divididas em três módulos que será ministrado aos servidores públicos do município.

Conforme o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, os crimes contra a criança incluem violência sexual, negligência, abuso de vulnerável, exposição ao risco e outros.

Dados da Secretaria de Educação de Rio Branco apontam que a capital possui 13 Centros de Educação Infantil (CEI) e 13 creches, em que estão matriculadas mais de 15 mil crianças de 2 a 5 anos, que seria o público-alvo do “Projeto Rhuamm”.

O próximo passo da implantação do projeto na capital acreana, segundos os órgãos, vai ser a elaboração de uma minuta que vai criar o texto do termo de cooperação.

Mãe e companheira que esquartejaram menino foram condenadas a 129 anos de prisão — Foto: Divulgação PC/DF

Mãe e companheira que esquartejaram menino foram condenadas a 129 anos de prisão — Foto: Divulgação PC/DF

Mãe e companheira condenadas

Após mais de um ano e cinco meses, a espera por Justiça pela morte do neto chegou ao fim. Foi o que disse o senhor Francisco das Chagas, mais conhecido como Chaguinha, avô do menino Rhuan Maycon após a condenação das acusadas.

O Tribunal do Júri de Samambaia, no Distrito Federal, condenou Rosana Auri da Silva Cândido e Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa pelo assassinato da criança.

O corpo da criança foi encontrado na madrugada do dia 1º junho de 2019, esquartejado, dentro de uma mala. A dupla foi sentenciada pelos crimes de homicídio qualificado, lesão corporal gravíssima, tortura, ocultação e destruição de cadáver e fraude processual.

Segundo informações divulgadas pelo Ministério Público do DF (MPDFT), “durante o julgamento, Kácyla ficou em silêncio e assumiu a execução de todos os crimes, afirmando não haver nenhuma participação da companheira”. No entanto, os jurados acataram na íntegra a denúncia do MP. Para o júri, as acusadas premeditaram o assassinato.

De acordo com a acusação, a dupla planejou como executar e destruir o corpo da criança. Na noite do crime, diz o MP, Rosana e Kacyla esperaram Rhuan dormir para cumprir o plano. A denúncia afirma que a mãe desferiu o primeiro golpe no peito da criança, que acordou com o ataque.

Já Kacyla teria segurado o menino para que a companheira desferisse os outros golpes. Segundo o Ministério Público, por fim, a mãe decepou a cabeça do filho ainda com vida. A denúncia diz ainda que, após o assassinato, a dupla esquartejou, perfurou os olhos e dissecou a pele do rosto do menino. De acordo com o MP, as acusadas também tentaram incinerar partes do corpo em uma churrasqueira com o intuito de destruir o cadáver e dificultar o seu reconhecimento.

Como o plano inicial não deu certo, elas colocaram partes do cadáver em uma mala e duas mochilas. Rosana jogou a mala em um bueiro próximo à residência onde ocorreu o crime. Em seguida, moradores da região desconfiaram da atitude da mulher e acionaram a polícia.

Prisão

A mãe, Rosana Cândido, e a companheira dela, Kacyla Pryscila, foram presas na casa onde moravam com a criança e ainda com a filha de Kacyla, uma menina de 8 anos.

Em depoimento à polícia, Rosana contou que “sentia ódio e nenhum amor pela criança”. Segundo o Ministério Público do DF, a mãe de Rhuan arquitetou o crime por odiar a família do pai dele.

“Rosana nutria sentimento de ódio em relação à família paterna da vítima. Kacyla conhecia os motivos da companheira e aderiu a eles”, diz a denúncia.

Rhuan Maycon tinha quatro anos quando saiu do Acre com a mãe, segundo avô  — Foto: Arquivo da família

Rhuan Maycon tinha quatro anos quando saiu do Acre com a mãe, segundo avô — Foto: Arquivo da família

Tortura

As duas também foram acusadas por tortura. Segundo o MP, elas “castraram e emascularam a vítima clandestinamente” e “impediram que Rhuan tivesse acesso a qualquer tratamento ou acompanhamento médico”.

“Com apenas 4 anos de idade, Rhuan passou a sofrer constantes agressões físicas e psicológicas e a ser constantemente castigado de forma intensa e desproporcional, ultrapassando a situação de mero maltrato”, diz a denúncia.

Já as acusações de ocultação de cadáver e fraude processual dizem respeito às tentativas da dupla de se desfazerem do corpo de Rhuan e dificultarem as investigações.

As duas condenadas deixaram o Acre em 2014. Segundo a família, Rosana fugiu do estado com a criança, a companheira e a filha de Kacyla.

O pai de tinha a guarda do menino, por decisão judicial. A família chegou a registrar um boletim de ocorrência após o sumiço do garoto.

G1 ACRE

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas