25 de maio de 2022   |   04:27  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Projeto de combate à violência contra criança que leva nome de menino morto pela mãe e madrasta deve ser lançado em maio no AC

Projeto 'Rhuamm' será lançado pela Defensoria Pública do Acre (DPE-AC) no dia em que a criança foi morta. Menino foi assassinado em 2019, em Samambaia, no Distrito Federal.

_________________Publicidade_________________

O lançamento oficial do projeto de combate à violência física, psicológica e sexual contra crianças de 0 a 12 anos, que faz alusão ao menino Rhuan Maycon da Silva Castro, de 9 anos, assassinato em maio de 2019 em Samambaia, no Distrito Federal, vai ser lançado em maio, na mesma data em que a criança foi morta.

A iniciativa é da Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE-AC). A escolha do nome, Rede Humanizada de Apoio a Meninas e Meninos (Rhuamm), faz alusão ao menino Rhuan.

O lançamento ocorre quando completa três anos da morte de Rhuan e vai contar com diversos parceiros, entre eles o Ministério Público do Trabalho (MPT). O Núcleo da Cidadania da DPE-AC é quem está à frente das ações.

No último dia 7, a coordenação do Núcleo da Cidadania, representantes de instituições parceiras e do MPT se reuniram para alinhar as estratégias do plano de atuação.

“Tivemos uma conversa com a procuradora do trabalhadora, drª Michele da Rocha, e vamos lançar agora em maio. Íamos lançar em abril, mas adiamos em alusão à morte do Rhuan, que foi assassinado no mês de maio e também porque é mês da defensoria”, destacou o coordenador do Núcleo da Cidadania da DPE-AC, defensor público Celso Araújo.

Rhuan Maycon foi morto e teve o corpo esquartejado pela mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, e pela companheira dela, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, em 31 de maio de 2019. O cadáver foi encontrado na madrugada do dia 1º junho do mesmo ano dentro de uma mala.

As responsáveis pelo crime foram condenadas, em penas somadas, a 129 anos de prisão. A criança tinha sido sequestrada pela mãe em 2014 do Acre, onde nasceu. O pai de Rhuan tinha a guarda dele, por decisão judicial, e a família chegou a registrar um boletim de ocorrência após o sumiço do garoto.

Defensoria Pública do Acre se reuniu com parceiros para alinhas estratégias do Projeto Rhuamm — Foto: Arquivo/DPE-AC

Defensoria Pública do Acre se reuniu com parceiros para alinhas estratégias do Projeto Rhuamm — Foto: Arquivo/DPE-AC

Combate à violência

O defensor público Celso Araújo explicou que o projeto tem dois eixos: visa a capacitação de professores da rede municipal de educação e identificar casos de violência contra a criança, seja física, psicológica ou sexual.

A rede municipal de ensino terá que encaminhar para o núcleo do projeto os casos de violência infantil registrado no ambiente escolar. Ainda segundo o defensor, esse núcleo vai capacitar esses profissionais para que funcione de forma muito ativa e receba as notificações das escolas e do público em geral.

“Essa criança será encaminhada para a rede de proteção e a Defensoria Pública está aperfeiçoando essa rede de proteção para que seja encaminhada para o núcleo do Projeto Rhuamm. É um projeto muito legal porque vamos trabalhar com os mais vulneráveis, que são as crianças que não têm para quem serem socorridas. Elas estão com os pais, com os familiares, mas, muitas vezes, isso [violência] ocorre com um parente. Muitas vezes a violência é dentro da família”, pontuou Araújo.

O defensor acrescentou também que nem todos os casos chegam às delegacias ou autoridades. Por isso, segundo ele, o projeto vai trazer um benefício muito grande porque é muito amplo e visa a capacitação também dos familiares e pessoas próximas quando a criança sofre algum tipo de violência.

“Crianças estão sofrendo violência e não são todos os dados que chegam até as delegacias e tem conhecimento das autoridades. Visamos também a capacitação e aperfeiçoamento com palestras para as famílias quando a criança sofre algum tipo de violência”, concluiu.

G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS