Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Produtos exportados para fora do Brasil em grandes quantidades chegam ao Acre com altos preços

_________________Publicidade_________________

Em um ano que pode ser de safra recorde de soja no Brasil, a exportação do produto também acompanhou o ritimo. Com a desvalorização do real, vender para o mercado externo é muito mais lucrativo para os grandes produtores e terrível para os brasileiros, principalmente os de baixa renda que precisam sobreviver.

Exemplo disso é o preço do óleo de soja nas prateleiras dos supermercados que dobrou em algumas regiões do Brasil. Ele, ao lado do trigo que por sua vez precisa ser importado, arroz, derivados do leite e alimentos como carne e o frango, estão entre os vilões que tem puxado a alta do preço da cesta básica. “Está difícil, tudo muito caro. Só da de comprar o básico. As coisas estão bem caras e a cada dia temos que tirar algo da cesta básica”, relatou Edevaldo Barbosa.

Jean Lopes trabalhava com a promoção de eventos e com a pandemia deicidiu atuar no ramo de alimentos. “Começamos com dez e vinte marmitas e hoje já está com o numero maior”. Ele conta que começou a vender marmitas com o preço acessível, mas foi obrigado a elevar o preço já que a despesa não é só com os alimentos. “Nós que trabalhamos com delivery necessitamos da gasolina para levar a marmita até o consumidor. A carne nem se fala, o extrato de tomate aumentou, o macarrão também. Então realmente é um problema grave que está em nosso pais”.

Este mês foi o mês com maior índice de inflação em 25 anos. Para conter a alta dos preços, o governo está elevando a taxa de juros e isso reduz a circulação de dinheiro no mercado e o poder de compra da população e os preços tendem a se estabilizar. Por outro lado reduz o acesso da população ao crédito.

Neto Tomé faz parte da direção da Associação Comercial de Cruzeiro do Sul e é proprietário de uma rede de supermercados da cidade. Para ele, a alta dos preços prejudica não apenas os consumidores. “Quem sobrevive de salário mínimo, tende a comprar produtos mais baratos, então é uma perda generalizada”.

Redação Juruá

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas