11 de agosto de 2022   |   22:16  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Produção de mandioca caiu mais de 53% em 6 anos e ameaça a maior economia do setor agrícola

Nos números da produção da mandioca e da produção da farinha, o Vale do Juruá é o principal responsável pela principal cadeia produtiva de produtos agrícolas do Acre, cuja Região possuí a maior produtividade por hectare no Brasil.

_________________Publicidade_________________

No dia 09/07/2022,  a Deutsche Welle (DW) (em português: Onda alemã), uma empresa pública de comunicação da Alemanha, com sedes em Bonn e Berlim, divulgou em seu site em português um artigo, assinado por Laís Modelli, sobre a importância do cultivo da mandioca na Amazônia e a ameaça que o desmatamento traz consigo para essa cultura milenar (https://www.dw.com/pt-br/desmatamento-amea%C3%A7a-cultivo-milenar-de-mandioca-na-amaz%C3%B4nia/a-62414442). Aproveito o brilhante artigo para que juntos possamos fazer uma reflexão acerca da problemática, trazendo alguns números da mandioca no Acre e a sua importância para a economia acreana.

No artigo citado, a autora destaca as palavras do engenheiro florestal Beto Mesquita, da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura (uma iniciativa que reúne 300 entidades que atuam em prol do uso sustentável das florestas), que afirma que a mandioca é a cultura agrícola mais importante para os povos amazônicos há milhares de anos.  Destaca a existência de uma relação cultural e social da mandioca com essas populações associada a um fator importantíssimo, que é a segurança alimentar. Vários alimentos da população amazônida provem da mandioca, sendo que o principal, a farinha, é consumida diariamente com o peixe, pescado no ‘quintal’, fornecendo uma quantidade ideal de carboidrato e proteína, hábito que nós acreanos conhecemos muito bem.

Destaco agora os números deste produto para a economia acreana. O Ministério da Agricultura – MAPA, estimou que o Valor Bruto da Produção – VBP das lavouras no Acre, alcançou mais de R$ 982 milhões em 2021. O MAPA calcula o VBP de acordo com o faturamento bruto dentro do estabelecimento. Cinco produtos representam juntos, mais de 96% do VBP das lavouras acreanas no ano. A líder foi a mandioca (60% do VBP), lavoura largamente cultivada em todos os municípios acreanos, notadamente pelas pequenas propriedades rurais e foi a responsável por gerar um valor de R$ 587 milhões de valor bruto. Em seguida vieram: banana (15,3%), milho (13,8%), soja (6%) e café (3,4%).

Nos números da produção da mandioca e da produção da farinha, o Vale do Juruá é o principal responsável pela principal cadeia produtiva de produtos agrícolas do Acre, cuja Região possuí a maior produtividade por hectare no Brasil. O Juruá detém 62,2% da área colhida, 63,6% da quantidade produzida e apresenta o maior rendimento médio por hectare, registrando 23.901 kg/ha e superando em 59,4% o rendimento médio brasileiro (14.996 kg/ha).

O ac24horas do dia 18/07/2022, estampou em manchete a notícia, assinada por Raimari Cardoso, em que destaca que o Acre tem três municípios entre os mais de 50 que mais desmataram em 2021 (https://ac24horas.com/2022/07/18/acre-tem-tres-municipios-entre-os-50-que-mais-desmataram-em-2021-diz-relatorio-do-mapbiomas/). A Amazônia concentrou 59% da área desmatada em 2021. No artigo da DW, para o biólogo Alessandro Alves Pereira, a maior parte do desmatamento na Amazônia é destinada à criação de pastagens ou implantação de áreas de monocultivo, como a soja. Assim, o desmatamento está associado com o abandono da agricultura familiar pelos povos tradicionais, que passam a arrendar suas terras para outras finalidades. Isso ultimamente tem causado o abandono do cultivo de variedades tradicionais como a mandioca.

Voltando aos números da mandioca no Acre, pelos dados do último Censo Agropecuário feito pelo IBGE em 2017, cujos dados foram divulgados em 2020, o Acre tinha mais de 14.800 estabelecimentos agropecuários com agroindústria rural, destes 12.333 eram agroindústrias de farinha de mandioca (casas de farinha), mais de 83%. Esses dados, expressos no gráfico abaixo, demostra a grandeza dessa no Acre. Mais de 78% das 12.333 agroindústrias de farinha estavam localizadas na região do Juruá, onde foram produzidas 32.619 toneladas de farinha de mandioca, correspondendo a 90% de toda farinha produzida no Estado do Acre.

Fonte: IBGE – Censo Agropecuário do Acre – 2017

O artigo também cita a professora da Universidade Federal do Oeste do Pará, Patrícia Chaves de Oliveira, especialista em recursos naturais da Amazônia, que explica que a maneira como a mandioca é manejada pelas populações tradicionais também ajuda a preservar a floresta. Explica que as famílias produtoras ficam, no máximo, cinco anos no mesmo solo. Depois, elas migram para uma nova área de mata, derrubam a floresta primária, limpam o terreno com fogo, preparam a terra com a enxada e plantam a mandioca e retornam para a primeira roça somente depois que a floresta se regenera por completo, cerca de cinco anos depois. Ela diz que apesar de rústica, a técnica do pousio da terra, como é chamada pelos produtores, tem sido eficiente ao longo da história da Amazônia.

Porém no Acre, assim como a maioria dos produtos agrícolas, a mandioca lamentavelmente apresentou uma queda de mais 48% no período 2016-2020, provavelmente pela falta de maior assistência técnica e incorporação de nova tecnologias em todo o processo produtivo, conforme dados do IBGE mostrados no gráfico abaixo. E segundo os dados recentes do IBGE, através do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, a produção de 2021 foi de 528.810 toneladas, quase 10% a menos que 2020. O pior, o IBGE está estimando que a produção de 2022 será menor ainda, estimada em 521.230 toneladas. Com isso, estamos assistindo de forma passiva uma queda de mais da metade da produção (53%), em apenas 6 anos.

 Fonte: IBGE – Produção Agrícola Municipal

Existe um agronegócio do pobre no Acre. Os números mostram a força desse produto na geração de renda, principalmente para os mais humildes trabalhadores rurais. Por outro lado, a farinha de mandioca estabeleceu uma rede de negócios forte, onde não somente os pobres ganham, mas toda uma cadeia que envolve desde o produtor até o alto comerciante que exporta a nossa farinha, a melhor do Brasil.  

Nada contra o Agronegócio dos ricos. Os poucos produtores de soja, já que a atividade é, por característica, concentradora, exercida somente por grandes produtores. 

Mas existe um agronegócio do pobre no Acre, que envolve milhares de famílias que precisam ser olhados e festejadas como é feito ao agronegócio do rico. O agronegócio do pobre está padecendo e precisando de ajuda, urgentemente!

Orlando Sabino escreve às sextas-feiras no Juruá Online

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS