Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Policial penal morre com Covid após mais de 15 dias na UTI no AC: ‘perdi o amor da minha vida’, diz esposa grávida de 9 meses

Eden da Cruz estava internado no Into-AC desde o início do mês de março e morreu na quarta-feira (17). Mulher do servidor, Jaqueline Alves, espera a segunda filha do casal e também pegou Covid-19.

Um pai amoroso, cuidadoso, marido apaixonado, atencioso e um homem voltado para família. É assim que o policial penal Eden Carlos de Souza da Cruz, de 38 anos, é descrito pela mulher, Jaqueline Alves, de 33 anos, grávida de 9 meses da segunda filha do casal. Na quarta-feira (17), a Covid-19 interrompeu os planos de Eden de terminar de montar o quarto da filha.

Após mais de 15 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC), em Rio Branco, o policial penal morreu vítima da doença. Ele era servidor público desde 2008 e descrito pelos colegas de trabalho como um homem muito alegre, companheiro e que lutava pela categoria.

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) divulgou uma nota lamentando a morte do servidor. (Veja nota na íntegra mais abaixo).

Além do servidor, a mulher Jaqueline e a segunda filha do casal, uma adolescente de 13 anos, também foram infectados pelo novo coronavírus. Jaqueline e a adolescente são do grupo de risco, a menina tem asma e a mãe usa um dreno no pulmão, mas as duas já estão curadas e não precisaram ser internadas por causa da doença.

“Nunca passou pela minha cabeça perder meu marido. Ele era um paizão, daqueles de acordar de manhã e pular na cama e chamar para tomar café, dizer que ama. Era um esposo de excelência, cuidadoso, zeloso, sempre se preocupou com nossa casa. Era o homem da casa, eu não tinha preocupação com nada. Coloquei meu marido no hospital, uma pessoa sadia, e não voltou para casa. Estava ansioso para conhecer a filha”, relembrou Jaqueline entre lágrimas.

Policial penal era pai de uma adolescente de 13 anos e esperava a chegada da segunda filha, batizada de Estela  — Foto: Arquivo da família

Policial penal era pai de uma adolescente de 13 anos e esperava a chegada da segunda filha, batizada de Estela — Foto: Arquivo da família

Primeiros sintomas

Eden Cruz começou a sentir os primeiros sintomas da doença após um plantão no Complexo Penitenciário de Rio Branco no dia 21 de fevereiro. Ele chegou em casa com uma tosse, falou para a esposa que podia ser Covid porque alguns colegas estavam afastados com a doença.

Preocupado com a saúde da mulher, que tem uma gravidez de risco, o policial penal foi fazer um exame para saber se estava com coronavírus quando a tosse não passou. O teste rápido deu negativo, mas o médico receitou os remédios para o tratamento e mandou ele se isolar em casa.

A partir de então, o policial passou a ficar trancado dentro do quarto sem contato com a família. Porém, alguns dias depois, a filha adolescente disse que não sentia mais gosto e nem cheiro da comida. Jaqueline percebeu que a filha estava infectada e foi fazer um exame para saber se também estava com a doença.

“Levantei cedo e fui fazer o exame para tirar ele de dentro do quarto. Na hora que estava recebendo o resultado do exame, que deu positivo, ele ligou dizendo que não estava legal e que estava indo para o Into. Quando foi por volta das 14 horas me ligou para eu ir para lá que não estava legal. Passei oito dias sem ver ele, só falando por telefone quando estava no quarto em casa, e não sabia como estava. Quando cheguei no Into vi que estava muito cansado e não conseguia falar direito”, relembrou a mulher.

No mesmo dia, o policial já ficou internado na observação unidade. Já no período da noite, o servidor ligou novamente para a mulher dizendo que iria para o leito e que ela fosse assinar a documentação. No hospital, Jaqueline ainda chegou a conversar com o marido. Esse foi o último contato dos dois.

“No leito não pode entrar com celular. Meu os pertences dele, levei roupa e cobertor para ficar lá. No dia 4 [de março] o médico me ligou dizendo que ele tinha sido intubado, que a situação era grave e ele não estava respondendo. Falaram tão rápido que só entendi intubado. Os telefones do Into falham, a gente não entende o que os médicos dizem. Falei com a assistente social, fiz uma reclamação porque usam muito termo técnico e podiam simplificar”, disse Jaqueline.

Servidor era policial penal desde 2008 e trabalhava no Complexo Penitenciário de Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal

Servidor era policial penal desde 2008 e trabalhava no Complexo Penitenciário de Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal

Angústia e espera

Os dias seguintes foram de angustia e sofrimento para Jaqueline. Ela esperava ansiosamente o boletim médico com o estado de saúde do marido. Na terça (16), porém, o boletim não chegou como todo os dias e ela se desesperou. Até que o irmão do policial mandou alguns áudios falando sobre o estado de saúde dele.

“Ninguém conseguiu entender nada. Na lista que consta para os médicos só tem dois números, o meu e a segunda opção que é o meu irmão. O médico ligou para o irmão dele e passou o relatório. Fui dormir chorando querendo saber o estado de saúde do meu marido e quando foi na manhã do outro dia fui bater no Into desesperada querendo saber o estado de saúde dele. No relatório médico tinha que ligaram para mim e não colocou o horário. Falei que não tinham ligado, mas na lista constava que ligaram”, criticou.

Jaqueline passou mal com a confusão e, enquanto tentava entender a situação, o quadro do marido piorou e ele morreu na UTI. Ela tentava falar com os médicos quando foi avisada do óbito. “Não sabia que naquele exato momento meu marido estava morrendo. Ele era a pessoa mais saudável aqui de casa. Até brincava com ele diversas vezes que se o vírus chegasse na nossa casa as pessoas de risco eram eu e minha filha. Nunca me passou pela cabeça que quem iria dar uma entrada no hospital era ele”, contou.

Ainda segundo a mulher, Eden Cruz teve um machucado em um dos joelhos jogando bola ano passado. Daí surgiu uma trombose, que ele já iria tratar. Após ser infectado pelo novo coronavírus, o policial passou a ter alteração na pressão e na glicose.

“O quadro só se agravou. Trataram a trombose com anticoagulante. Estava tudo certo sobre isso. Minha filha quase não teve sintomas, eu peguei como se fosse uma gripe muito forte. Estamos com mais de 15 dias. Nunca passou isso pela minha cabeça, está doído. Estávamos junto há 18 anos, construímos tudo juntos”, acrescentou.

Eden Cruz e Jaqueline Alves estavam juntos há 18 anos — Foto: Arquivo pessoal

Eden Cruz e Jaqueline Alves estavam juntos há 18 anos — Foto: Arquivo pessoal

Irmão também morreu com Covid

Dias após ser internado no Into-AC, o irmão mais velho do policial também deu entrada na unidade e morreu logo depois também com Covid-19. Eden Cruz não sabia que o irmão estava internado doente e morreu sem saber que o irmão também perdeu a luta para a doença

“O irmão dele faleceu no dia 10 de março. Infelizmente, perdi duas pessoas importantes. Ele tinha o coração crescido, foi logo intubado, o vírus foi em cima disso. Ele [Eden] estava sedado e não sabia o que estava acontecendo aqui fora”, lamentou.

Filha planejada

Ainda segundo Jaqueline, o casal conseguiu comprar a casa própria recentemente e estava reformando a residência. Com a casa própria, Eden propões à mulher ter um segundo filho. Estela, como vai ser chamada a bebê, era muito esperada pelo pai.

“Foi uma criança planejada, sonhou muito dela, estava arrumando o quarto para ela, comprou todo o enxoval. Queria terminar a reforma antes dela nascer, mas, infelizmente, não deu tempo. Ele acordava, beijava minha barriga e dizia assim: ‘bom dia, Estela, papai ama você’. Todos os dias era assim, pedia para ela crescer logo que ele estava louco para conhecê-la”, contou entre lágrimas.

Mesmo com o apoio da família, principalmente dos pais que estão com ela em casa, Jaqueline se diz sem chão com a morte do marido. “Estou sem chão, perdi o homem da minha vida, meu amor, companheiro, a gente tem uma história juntos. Temos uma história juntos, os últimos anos da vida viveu intensamente, apresentou TCC, fez a planta da casa, construiu, decidiu ser pai novamente, escolhemos o nome do bebê. Quando eu estava doente era ele que cuidava de mim”, finalizou.

Via: G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas