18 de maio de 2022   |   15:07  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Pesquisadores flagram botos brincando com sucuri na Bolivia

Estudiosos acreditam que cobra, possivelmente morta, não serviria de alimento para botos, que usariam animal como forma de ensinar os filhotes. Pesquisa foi publicada em artigo de revista científica internacional.

_________________Publicidade_________________

O pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Omar Machado Entiauspe Neto, de 24 anos, e dois colegas registraram a interação de dois botos com uma anaconda em um rio da Bolívia. As imagens são de um estudo publicado pela revista científica “Ecology”, dos Estados Unidos.

O biólogo é mestrando em Biologia Animal na UFRGS e trabalhou com os cientistas Steffen Reichle e Alejandro dos Rios, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.

Reichle e Rios estavam no rio Tijamuchin, na região de Beni, próximo a Rondônia, em agosto de 2021, quando foi feito o registro. As interações entre os botos e as cobras sucuris são consideradas difíceis de se observar.

“Eles foram perceber essa interação entre os botos e a sucuri bem depois, quando eles estavam vendo as fotos”, diz Omar.

Na análise, os pesquisadores afirmam que, possivelmente, a cobra já estava morta quando foi fotografada e que não serviria de alimento para os golfinhos.

“A gente sabe que os botos se alimentam de peixes e crustáceos, que são animais bem pequenos. Apesar de eles serem animais grandes, de até dois metros, o diâmetro da boca deles não permite que comam animais muito grandes”, explica.

Os botos, acreditam os cientistas, estavam brincando com o animal, como um item lúdico, possivelmente de ensino. O estudo aponta que futuras observações, análises da dieta dos golfinhos e armadilhas fotográficas podem ajudar a compreender o comportamento registrado no rio.

“Talvez tenha um papel social essa brincadeira dos golfinhos, talvez para ensinar aos filhotes o que seria uma serpente ou até um método de aprendizagem mesmo”, comenta Omar.

Como Reichle trabalha na área de conservação, Omar contribuiu com o seu conhecimento sobre as serpentes no artigo. O resultado do estudo foi noticiado pelo jornal americano The New York Times nesta semana.

O jovem fez pesquisas na Bolívia, analisando serpentes conservadas em coleções no país vizinho. Atualmente em Pelotas, no Sul do estado, ele prossegue o estudo de seu mestrado.

Botos interagem com cobra anaconda em rio boliviano — Foto: Alejandro dos Rios/Divulgação

Botos interagem com cobra anaconda em rio boliviano — Foto: Alejandro dos Rios/Divulgação

Por G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS

AS ÚLTIMAS

top 10 mais lidas