14 de agosto de 2022   |   10:04  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Pesquisa realizada pela SEPLAG mostra queda no custo da cesta básica em Rio Branco

Houve redução de preços em seis itens da cesta, sendo na banana o mais expressivo (-15,37%), seguido pelo tomate (-9,51%), óleo (-3,22%), carne (-1,51%) e arroz (-0,99%).

_________________Publicidade_________________

Em junho, segundo a pesquisa dos custos das cestas básicas em Rio Branco realizada pela SEPLAG, o valor da cesta de alimentação continua apresentando queda (-0,65%), com aumento nos preços das cestas de limpeza doméstica (4,19%) e higiene pessoal (1,05%), quando comparadas ao custo das cestas em maio.

Os dados foram coletados em 69 estabelecimentos comerciais, compostos por mercados varejistas de grande, médio e pequeno porte, açougues e panificadoras, distribuídos em 40 bairros de Rio Branco.

O custo total da cesta básica alimentar para um indivíduo foi de R$ 492,20, uma queda de -0,65% em relação a maio, conforme tabela abaixo. Houve redução de preços em seis itens da cesta, sendo na banana o mais expressivo (-15,37%), seguido pelo tomate (-9,51%), óleo (-3,22%), carne (-1,51%) e arroz (-0,99%). Os demais produtos apresentaram alta, com destaque para o leite (12,12%) e feijão (7,10%).

Tabela do custo total da cesta básica alimentar em Rio Branco (junho/2022).

 “Em junho, o leite foi o item com maior percentual de aumento de

preço, cerca de 12,12% em relação a maio, enquanto que a banana

(-15,37%) e o tomate (-9,51%) foram os itens que apresentaram

maior queda”.O aumento acentuado no preço do leite corrobora o padrão observado no mês de junho para este item, conforme o último relatório do DIEESE para as 17 capitais onde a pesquisa da cesta básica alimentar também é realizada.

O número de horas de trabalho necessário para um trabalhador adquirir os produtos da cesta básica alimentar foi de aproximadamente 89 horas e 20 minutos, cerca de 35 minutos a menos em relação ao tempo necessário medido em maio.

Já o custo total da cesta básica de limpeza doméstica foi de R$ 65,64, um aumento de 4,19% em relação a maio, conforme tabela a seguir. Sete produtos sofreram alta, sendo destaque o item desinfetante que apresentou variação positiva de 11,03%, seguido pela esponja de aço

(11,00%), sabão em pó (10,62%) e água sanitária (10,03%). Os itens inseticida e cera para assoalho registraram decréscimo de -1,25% e -0,75%, respectivamente.

Tabela do custo total da cesta básica de limpeza doméstica em Rio Branco (junho/2022).

Para adquirir uma cesta básica de limpeza doméstica um trabalhador terá que trabalhar 11 horas e 54 minutos, o que representa 28 minutos a mais quando comparado com mês de maio/2022.

O custo total da cesta de higiene pessoal para um indivíduo foi de R$ 22,00, um aumento de 1,05% em relação ao mês de maio. Com exceção do item barbeador descartável que apresentou queda de preço, com variação negativa de -9,63%, os demais produtos da cesta básica de higiene pessoal tiveram alta de preço em relação a maio, com destaque para o papel higiênico, que registrou alta de 6,81%, seguido pelo sabonete (5,94%), conforme tabela abaixo.

Tabela do custo total da cesta básica de higiene pessoal em Rio Branco (junho/2022).

A participação do valor das três cestas básicas continua significativa no rendimento de um trabalhador que recebia em junho de 2022 um salário mínimo de R$ 1.212,00, sendo de aproximadamente 47,84%, um decréscimo de 0,03% em relação a participação das cestas em maio.

Para uma família padrão de dois adultos e três crianças foi estimado um gasto mensal de R$1.722,91 com a cesta alimentar, R$ 229,74 com a cesta de limpeza doméstica e R$ 76,99 com a cesta de higiene pessoal, totalizando R$ 2.029,44 por mês. Revertendo esse valor em

quantidade de salário mínimo necessário para a subsistência dessa família, o custo estimado para aquisição das três cestas em junho de 2022 foi de 1,67 salários mínimos.

Após seis meses de pesquisa é possível observar a evolução do custo total e de cada cesta para um indivíduo comum. Conforme o gráfico abaixo, entre janeiro e março o padrão de elevação do custo da cesta alimentar se destaca das demais, que apresentaram estabilidade, aumento e até queda.

Esse padrão se inverte a partir de abril, quando o valor da cesta alimentar segue em queda, enquanto os valores das cestas de limpeza doméstica e higiene pessoal iniciam uma elevação constante.

A participação do valor das cestas no salário mínimo de um trabalhador também acompanhou o aumento de preços, com destaque para a cesta alimentar, que saiu de 36,77% em janeiro para 40,61% em junho, conforme gráfico abaixo. As demais cestas mantiveram leve queda de janeiro para fevereiro, com elevação desse mês para março e, por conseguinte de março para junho.

A soma da participação das cestas no salário de um trabalhador comum saltou de 43,50% em janeiro para 47,84% em junho, evidenciando o impacto do aumento de preços dos alimentos, fertilizantes e combustíveis no Brasil e no mundo, agravado pela continuidade da guerra entre a Ucrânia e Rússia. Porém, apesar do aumento constante, no mês de maio o custo da cesta alimentar em Rio Branco (R$ 492,20) permanece abaixo da cesta de Aracaju (R$ 549,91), a mais barata no ranking de 17 capitais elaborado pelo DIEESE.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS