16 de agosto de 2022   |   20:07  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Pesquisa aponta que Acre está entre os estados com alta incidência de Malária Gestacional

Amazonas, Acre, Rondônia e Pará com alta incidência da enfermidade em gestantes.

_________________Publicidade_________________

Um mapeamento inédito sobre a incidência de malária entre gestantes brasileiras foi divulgado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP).

O grupo analisou a série histórica da doença durante um período de 15 anos, envolvendo dados de 61.833 mulheres com malária gestacional no Brasil obtidos do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Malária (Sivep-Malária) do Ministério da Saúde. Os resultados apontaram municípios nos estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Pará com alta incidência da enfermidade em gestantes.

A malária é uma doença febril aguda, potencialmente fatal. Globalmente negligenciada, ela é a principal doença parasitária afetando mais de 200 milhões de indivíduos e levando à morte de aproximadamente 500 mil indivíduos anualmente.

Durante um estudo realizado, foram analisadas quase 5 mil gestações de mulheres do Vale do Juruá (região responsável por 98,6% dos casos do estado do Acre, em 2018), além de gestantes procedentes de Guajará, Ipixuna e Eirunepé, no estado do Amazonas. A pesquisa observou que a malária causada pelo Plasmodium falciparum, quando ocorreu durante a gravidez, esteve significantemente associada à ocorrência da diminuição do perímetro cefálico. 

As grávidas são um dos principais grupos de risco para a malária – doença causada por protozoários do gênero Plasmodium e transmitida pelo mosquito Anopheles.

As gestantes infectadas correm mais risco de sofrer com anemia grave, parto prematuro, aborto e natimortalidade. Já o feto pode apresentar microcefalia ou ter seu crescimento prejudicado no útero, com impactos que costumam se estender para além do período gestacional.

“Estudos mostram que a infecção afeta o desenvolvimento e a função cerebral causando déficits cognitivos e neurológicos, consequência de condições como paralisia cerebral e epilepsia, tem associação com problemas respiratórios na infância e faz com que a criança tenha maior propensão a infecções, além do risco maior de desenvolver na vida adulta doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial”, diz Marinho.

As gestantes foram o foco do levantamento conduzido pela pós-doutoranda do instituto da USP Jamille Dombrowski, em parceria com pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da USP.

O grupo analisou a série histórica da doença durante um período de 15 anos, envolvendo dados de 61.833 mulheres com malária gestacional no Brasil obtidos do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Malária (Sivep-Malária) do Ministério da Saúde. Os resultados apontaram municípios nos estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Pará com alta incidência da enfermidade em gestantes.

O levantamento também possibilitou apontar o grupo de maior risco do quadro, que são as gestantes mais jovens, especialmente aquelas entre 15 e 24 anos. Isso porque é nessa faixa etária que se encontra o maior número de mulheres na primeira gestação (primigestas). Nesses casos, a imunidade específica contra as formas do Plasmodium que se instalam na placenta é mais baixa, pois ela é adquirida após gestações sucessivas.

“Também é importante lembrar que na região Norte do Brasil as gestantes primigestas são muito jovens e seu tempo de exposição ao protozoário é menor por causa do pouco tempo de vida, fazendo com que seu organismo tenha menos proteção contra ele”, explica o pesquisador.

Após avaliação do aspecto epidemiológico, os pesquisadores passam a investigar o diagnóstico precoce de uma complicação da doença, a malária placentária.

Geralmente, as grávidas não apresentam sintomas, mas podem estar com o parasita na placenta – condição conhecida como malária placentária – e a constatação da doença só é feita após o nascimento do bebê, sem a possibilidade de intervenção ou tratamento.

Por esse motivo, Dombrowski está trabalhando em um novo projeto que visa identificar biomarcadores de rápida mensuração e custo acessível para que sua análise possa ser introduzida na rotina do pré-natal.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS