17 de maio de 2022   |   19:47  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

“Pena mais dura”: CBF propõe tirar ponto de clubes em casos de racismo

Ednaldo Rodrigues enviará um documento, nesta sexta (6/5), à Conmebol com pedido de reunião extraordinária para discutir proposta.

_________________Publicidade_________________

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ednaldo Rodrigues, afirmou que irá pedir punições mais severas para os clubes em casos de racismo. Segundo o ge, a entidade enviará, nesta sexta-feira (6/5), um documento à Conmebol solicitando uma “pena mais dura” e propondo a retirada de pontos dos times envolvidos nos casos na Copa Libertadores e Sul-Americana.

“Não concordo com apenas multa financeira ao clube que tiver um torcedor racista. Não se combate a discriminação apenas aumentando a multa. Tem que ser de forma mais dura. O clube precisa sofrer uma punição esportiva. Quero que o time do torcedor identificado cometendo um ato racista perca pelo menos um ponto na tabela do campeonato. Só assim acredito que vamos pacificar os estádios”, disse Rodrigues.

Após inúmeros casos de racismo na Libertadores, a Conmebol já tinha anunciado, na última semana, que pretende aumentar a multa dos clubes de torcedores que cometeram o crime. Atualmente, o Código Disciplinar da entidade prevê o valor mínimo de US$ 30 mil (cerca de R$ 150 mil) para esse tipo de delito.

“O clube tem que ser punido por não ter conseguido educar o torcedor que entra no seu estádio. Com a punição esportiva ao clube, conseguimos envolver o torcedor nesta luta anti-racista. O torcedor seria um fiscal contra o preconceito na arquibancada”, explicou Ednaldo.

Mudanças no Brasil

Ednaldo Rodrigues também vai propor uma sentença mais dura nas competições organizadas pela CBF a partir de 2023, uma vez que os regulamentos dos torneios deste ano já foram aprovados.

“Quero propor uma ampla discussão aqui no Brasil para a próxima temporada. Vou pedir a perda de pelo menos um ponto a partir do ano que vem. Essa discussão vai ser boa para ver quem realmente quer combater o racismo no futebol”, afirmou.

Por Metrópoles

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS