Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Pai de Henry recebe bênção do Papa; leia a íntegra da carta

Carta foi uma resposta à uma de tia de Leniel Borel, pai de Henry, que escreveu para o Papa contando sobre o caso.

_________________Publicidade_________________

O pai do menino Henry, Leniel Borel, e a avó paterna do menino, Noeme Camargo, receberam uma carta com mensagens transmitidas pelo Papa Francisco.

A carta vinda do Vaticano chegou como um abraço para a família (confira abaixo a íntegra da mensagem).

O documento, assinado pelo monsenhor Luigi Roberto Cona, assessor para assuntos gerais da Secretaria do Vaticano, traz a mensagem do Papa Francisco.

Ele fala que “a loucura humana levou ao massacre do pequenino Henry Borel.”

“O Papa Francisco incumbiu-me de assegurar a sua paterna vizinhança e solidariedade ao pai Leniel Borel e a avó Noeme Camargo, confiando-os à proteção da Virgem Maria com os desejos bons que cada um traz no coração; deixem-se reconhecer como amigos de Jesus; a todos chamem amigos e, de todos, sejam amigos”.

Leniel Borel, pai do menino Henry Borel — Foto: Reprodução/TV Globo

Leniel Borel, pai do menino Henry Borel — Foto: Reprodução/TV Globo

A carta tem ainda uma mensagem contra o ódio.

“O Santo Padre conta com a senhora Noeme e o senhor Leniel para contrastarem a cultura da indiferença e do ódio que sentem crescer ao seu redor; não se deixem contaminar pelo ódio transformando-se à sua imagem e semelhança. Sejam do número das pessoas que se recusam a entrar no circuito do ódio, que se recusam a odiar aqueles que lhes fizeram mal, dizendo-lhes: «Não tereis o meu ódio!»”.

Ele também elogia a postura da família.

“É quase um milagre que uma pessoa ferida, como o senhor Leniel e a senhora Noeme, possa encontrar a coragem de recusar ter ódio e o afastar do seu coração. Mas é um milagre que lhe permite viver em paz e ajudar a salvar o mundo de si mesmo”.

E por fim, a benção da autoridade máxima da igreja católica.

“O Papa Francisco concede-lhes a Bênção Apostólica.”

“Valho-me do ensejo para lhe testemunhar meus sentimentos de fraterna estima em cristo senhor”.

A carta foi uma resposta à uma de tia de Leniel Borel, pai de Henry, que escreveu para o Papa contando sobre o caso.

O menino, que estava no apartamento da mãe e do padrasto, foi levado por eles ao hospital, onde chegou já sem vida na madrugada de 8 de março. Eles alegam inocência e afirmam que houve um acidente, mas laudos descartaram a hipótese.

O menino Henry Borel, de 4 anos, morreu no dia 8 de março  — Foto: Reprodução

O menino Henry Borel, de 4 anos, morreu no dia 8 de março — Foto: Reproduçãohttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Jairinho e Monique Medeiros são réus

Enquanto recebe o conforto do Papa Francisco, a família acompanha o andamento do caso, que agora está nas mãos da Justiça.

A Justiça já aceitou a denúncia do Ministério Público do estado e decretou a prisão preventiva do vereador Jairinho (sem partido), padrasto da criança, e de Monique Medeiros, mãe do menino. eles agora são réus no caso.

O casal foi indiciado por homicídio triplamente qualificado – com emprego de tortura e sem chance de defesa para a vítima – e por atrapalhar as investigações e por ameaçar testemunhas para combinar versões.

Na Câmara Municipal, a Comissão de Ética está dando  prosseguimento à representação contra o vereador. Jairinho pode perder o cargo.

Nesse momento, os membros da comissão estão aguardando a defesa de Jairinho se manifestar. O prazo vence na sexta-feira (21).

O vereador Jairinho e a mãe de Henry, Monique Medeiros, negam responsabilidade na morte do menino.

Confira a íntegra da carta:

“Vaticano, 24 de abril de 2021

Prezada Senhora,

O Santo Padre recebeu a carta, triste e aflita que lhe enviou no dia 14 deste mês de abril, contando nela as horas amargas que vive o povo brasileiro e também a loucura humana que levou ao massacre do pequenito Henry Borel. E, neste momento, seus familiares sentem que precisam de fortalecer a sua fé unindo os seus corações ao coração do Sucessor de Pedro, cuja fé conta com um apoio especial de Jesus (cf. Lc 22, 32) para poder confirmar a fé dos seus irmãos.

Considerando o caso dramático referido na missiva, o Papa Francisco incumbiu-me de assegurar a sua paterna vizinhança e solidariedade ao pai Leniel Borel e à avó Noeme Camargo, confiando-os à proteção da Virgem Maria com os desejos bons que cada um traz no coração: deixem-se reconhecer como amigos de Jesus; a todos chamem amigos e, de todos, sejam amigos. O Santo Padre conta com a senhora Noeme e o senhor Leniel para contrastarem a cultura da indiferença e do ódio que sentem crescer ao seu redor; não se deixem contaminar pelo ódio, transformando-se à sua imagem e semelhança. Sejam do número das pessoas que se recusam a entrar no circuito do ódio, que se recusam a odiar aqueles que lhes fizeram mal, dizendo-lhes: «Não tereis o meu ódio!» Deste modo ajudarão a parar o mal, como fez Abraão quando pediu a Deus para não exterminar os justos com os culpados (cf. Génesis t8, 23-32). Basta-lhes uma só pessoa boa, para não odiarem todas as pessoas. É quase um milagre que uma pessoa ferida, como o senhor Leniel e a senhora Noeme, possa encontrar a coragem de recusar ter ódio e o afastar do seu coração; mas é um milagre que lhe permite viver em paz e ajudar a salvar o mundo de si mesmo. Propiciadora de luz e assistência do Alto para a senhora Noeme e para o senhor Leniel Borel e quantos vivem ao seu redor, o Papa Francisco concede-lhes a Bênção Apostólica.

Valho-me do ensejo para lhe testemunhar meus sentimentos de fraterna estima em Cristo Senhor.

L. Roberto Cona
Mons. Luigi Roberto Cona
Assessor”.

via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas