Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Paes chama Light de ‘vagabunda’ após empresa cortar luz de 66 prédios da prefeitura; ‘drive-thru’ da vacina é suspenso

_________________Publicidade_________________

A light cortou nesta quinta-feira (14) a luz de 66 prédios da Prefeitura do Rio. A distribuidora de energia alega uma dívida do município de R$ 261 milhões. Um dos pontos atingidos é o Parque Olímpico, na Barra, o que levou a Secretaria de Saúde a suspender a vacinação drive-thru no local.

Tão logo a reportagem foi exibida no Bom Dia Rio desta sexta-feira (15), o prefeito Eduardo Paes (PSD)  foi às redes sociais:

“A Light é uma empresa vagabunda. Passaram anos aliviando a barra do governo anterior. Agora querem receber na base do lobby e da chantagem. Eles terão as mesmas condições de recebimento de todos os fornecedores que têm crédito conosco! Não adianta nem forçar! Não passarão”, escreveu.

“A vagabundagem da Light mata! Irresponsáveis!”, emendou, citando o drive-thru suspenso.

Tuíte de Eduardo Paes sobre corte de energia pela Light em imóveis da prefeitura — Foto: Reprodução

Tuíte de Eduardo Paes sobre corte de energia pela Light em imóveis da prefeitura — Foto: Reprodução

Mais críticas em coletiva

Nesta sexta-feira (15), durante a apresentação do 41º Boletim Epidemiológico da cidade, Paes voltou a criticar a distribuidora.

“Além de eu não aceitar lobby, eu não aceito chantagem. A maneira como a Light procedeu é quase uma estratégia de guerra. Geopoliticamente, eles escolhem alvos certeiros para dar uma espécie de aviso ao município. Só que, aqui, essa estratégia não vai funcionar”, declarou.

“Também posso dedicar uma parte do meu tempo a escolher alvos estratégicos numa empresa que, em geral, não cumpre com as regras de tempo de apagamento, não poda as árvores da cidade nas áreas com fiação e desrespeita as regras estabelecidas por legislação federal e estadual de desligamento”, emendou.

Daniel Soranz e Eduardo Paes em coletiva no COR — Foto: Reprodução/TV Globo

Daniel Soranz e Eduardo Paes em coletiva no COR — Foto: Reprodução/TV Globo

Paes admitiu que há “algo em torno de R$ 6 bilhões em restos a pagar” de “serviços executados e reconhecidos pela prefeitura que não foram pagos pelo governo anterior”.

“O que acontece no Brasil que já deu tanto escândalo? Os amigos do rei, aqueles que acessam as autoridades, acabam sendo sempre os primeiros a receber. E nós aqui resolvemos estabelecer uma regra republicana para fazer o pagamento das nossas dívidas”, disse.

“Vamos parcelar essas dívidas e faremos aquilo que é chamado de ‘leilão reverso’. “Quem oferecer maior desconto recebe primeiro e pode até receber à vista”, explicou.

“Eles não vão achar que vão impor aqui, dar uma de malandro. Eles arrumaram uma confusão grande, e não vamos ficar calados diante desse tipo de estratégia, de malandragem. Isso é chantagem, isso é vagabundagem, isso é desrespeito. Não vamos aceitar chantagem, nem vagabundagem, nem lobby, nem desrespeito”, falou Paes.

O que diz a Light

A Light afirmou que, a princípio, não ia comentar as declarações de Paes.

Pouco depois das 11h, a concessionária enviou a seguinte nota:

“Em relação à suspensão do fornecimento de energia às unidades administrativas da Prefeitura, a Light informa que foi procurada nesta manhã pela Secretaria Municipal de Esportes para retomar o processo de negociação de sua dívida. A Secretaria de Esportes informou que já realizou nota de empenho para pagamento e a companhia está enviando equipes aos locais para efetuar as religações, entre elas as da Arena Carioca e da Nave do Conhecimento da Penha.

Os cortes foram feitos apenas em instalações cadastradas na empresa como serviços não essenciais. Unidades de saúde não foram cortadas. A Light reforça que desde fevereiro vem realizando diversas reuniões com a Prefeitura do Rio. A empresa apresentou uma proposta de negociação da dívida no dia 28 de maio. Todas as unidades da prefeitura que têm débitos com a companhia receberam aviso de corte em suas faturas. Adicionalmente, foi feito um reaviso de corte via carta protocolada na Prefeitura no dia 15 de setembro de 2021, conforme anexo.”

A empresa não detalhou a lista dos 66 imóveis atingidos e informou o endereço de apenas três:

  • Parque Olímpico da Barra da Tijuca;
  • Nave do Conhecimento da Penha, temporariamente fechada;
  • Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Administrativo de Coelho Neto.

Treino no escuro

Atletas do Greip da Penha treinam no escuro — Foto: Reprodução/TV Globo

Atletas do Greip da Penha treinam no escuro — Foto: Reprodução/TV Globo

Ao Bom Dia Rio, pais de atletas mirins do Grêmio Recreativo e Esportivo dos Industriários da Penha (Greip), na Zona Norte, um centro de ginástica artística de alto rendimento, afirmaram que seus filhos treinaram no escuro nesta quinta-feira.

Vanderlei Nascimento, pai da Kristine, alertou que a filha vinha se preparando para uma competição nacional. “Tivemos esse episódio triste do desligamento da luz atrapalhando a performance das meninas. O treino teve que acabar mais cedo”, disse.

Tainá Sales, mãe da Thayla, emendou que o Greip está “em condições precárias”. “Precisam de colchões, materiais novos. São nove meninas que não têm patrocínio. Hoje elas treinaram no escuro porque não tinha luz”, afirmou.

O que disse a Light

Antes do tuíte de Paes, a Light tinha informado que “a dívida total da administração municipal com a companhia é de mais de R$ 261 milhões”. “Deste montante, R$ 68 milhões são referentes a este ano”, detalhou.

Ainda segundo a companhia, “os cortes foram feitos apenas em instalações cadastradas como serviços não essenciais”. “Unidades de saúde não foram cortadas”, destacou.

“A Light ressalta que realizou diversas tentativas de acordo com a prefeitura para regularizar os débitos e notificou o órgão previamente com aviso de corte, como determina a legislação”, emendou.

O que disse a prefeitura

Antes da declaração de Paes, o secretário municipal de Fazenda, Pedro Paulo, afirmou que “as contas da Light de 2021 estão em dia, salvo algumas da Saúde, em fase final de liquidação”.

“É bom lembrar que os valores ainda em aberto estão previstos no orçamento, e a empresa sabe disso. Portanto, a iniciativa da Light não trata de débitos de 2021, e sim dos passivos acumulados pela gestão anterior, que não são pequenos”, explicou o secretário.

“Para estes, após uma longa e minuciosa auditoria — já em fase final —, será feito um parcelamento anual, seguindo rigorosamente critérios determinados em lei municipal, de forma isonômica, institucional e transparente, para todos os credores, sem exceções e sem furar fila”, detalhou.

Via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas