Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

O trágico fim do sonho da estudante brasileira que foi para o Paraguai se tornar médica

_________________Publicidade_________________

RIO — A história de uma jovem brasileira morta numa chacina em Pedro Juan Caballero, no sábado passado, revela um caminho que vem sendo feito por muitos estudantes que têm procurado o país para cursar Medicina. Era o caso de Rhannye Jamilly Oliveira Borges, de 18 anos. Alegre, desinibida, amiga e apaixonada por música —  ela tocava violão e cantava — , a moça sonhava se tornar médica no país vizinho, na Universidade Central do Paraguay, no Departamento de Amambay. No último fim de semana, saindo de uma boate junto com outras três pessoas, entre elas um suspeito de integrar uma quadrilha de tráfico, Rhannye perdeu a vida. A camionete branca em que o grupo estava foi fuzilada.

Num dos últimos posts que fez em redes sociais, Rhannye, que era de Mato Grosso, gravou um vídeo para a familia. Nele, a estudante, que sempre foi religiosa, canta a  letra da música gospel, que fala em saudade e do desejo de voltar para a casa. “Me leva para casa, eu quero voltar pois longe de ti não é o meu lugar. Eu corro depressa para te encontrar, de braços abertos, como alguém que esqueceu. Como pode me amar sabendo dos meus pecados? Sabendo que o que faço de errado, como pode me amar assim? Como pode me amar, Deus, sabendo que eu fugiria se a porta estivesse aberta. Como podem me confiar e ainda me pega quando estou caindo e me abraça, quando estou chorando seguras minhas mãos”. O sepultamento da jovem foi no domingo passado, em Curvelândia, pequeno município de MT, com pouco mais de cinco mil habitantes,  onde ela vivia com a família, antes de se mudar para a cidade paraguaia.

O pai de Rhannye, Márcio Alves, de 47 anos, conversou ontem com o GLOBO e lembrou que relutou muito em autorizar a mudança da filha para  outro pais. Ele, que trabalha num mercado da cidade, disse que  sonho da estudante de se tornar médica estaria acima de suas possibilidades financeiras se fosse realizado no Brasil. Lá na UCP,  em Pedro Juan Caballero, a mensalidade do curso ficava em torno de R$ 2,5 miil enquanto o curso numa faculdade particular de São Paulo custaria R$ 8,5 mil mensais. Estima-se que cerca de 10 mil estudantes de medicina brasileiros estejam fazendo o curso no Paraguai.

Via-O Globo

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas