Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Novembro Roxo: Sesacre realiza campanha e alerta sobre índices de prematuridade

_________________Publicidade_________________

Celebrado globalmente no dia 17, o mês de novembro é considerado o mês internacional de sensibilização para a prematuridade. Este ano, o tema central da campanha organizada pela Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), é “Separação Zero, mantendo pais e bebês prematuros juntos”. O objetivo é alertar sobre o crescente número de prematuridade, formas de prevenção, cuidados, doação de leite materno e ainda sobre a importância de se manter pais e mães juntos durante um período tão delicado.

Nesta quinta-feira, 18, as atividades acontecem na Maternidade Bárbara Heliodora, a partir das 8h30. Entre as palestras e oficinas práticas estão temas que retratam aspectos psicoafetivos, a importância do contato pele a pele; manejo, manuseio, higiene e cuidados com prematuros, entre outros assuntos. A programação será aberta aos funcionários e pacientes durante todo o dia.

“A prematuridade é a primeira causa de morte em crianças menores de 5 anos e precisamos falar sobre este assunto abertamente, alertando, discutindo, trazendo dados. Com a campanha de 2021, separação zero, objetivamos dar visibilidade à importância da presença colaborativa dos pais nas Unidades Neonatais, tanto para a saúde dos pais como da criança”, explicou Priscylla Nunes, chefe do Núcleo de Saúde da Criança da Sesacre.

Dados

A última pesquisa realizada pelo Data SUS e divulgada em 2020, informa que o Brasil está com a média de prematuridade em 12%. A região que mais chama atenção é o Norte, onde a maioria dos estados estão com registros acima da média, inclusive o Acre, cuja média é de 13,4%. Na maioria dos casos, muitas mães deixam de realizar o acompanhamento da gravidez por meio das consultas de pré-natal, forma mais comum de se prevenir e evitar a prematuridade.

“As causas principais relacionadas ao risco de parto prematuro incluem idade materna, uso de drogas, stress psicológico, alteração hormonal, hipertensão, entre outros. Todos esses problemas podem ser revestidos durante um pré-natal adequado, serviço a saúde oferece em todos os postos de saúde do estado, inclusive na maternidade”, explicou Socorro Avelino, pediatra e neonatologista, coordenadora da UTI neonatal da Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco.

Banco de Leite Humano

Recém Nascidos prematuros são os principais receptores do Banco de Leite Humano na Maternidade Bárbara Heliodora. Por muitas vezes, as mães, por problemas de saúde, não conseguem produzir o volume de leite materno necessário para o desenvolvimento da criança. A doação é um gesto solidário e pode ajudar a salvar vidas diariamente. Toda mulher em período de amamentação pode ser voluntária. Para ser doadora basta entrar em contato com a maternidade por meio do número 3215-4813. Qualquer quantidade é considerada importante.

História de Superação

Mãe de três filhos, a jornalista e funcionária pública Dryelem Alves, teve sua primeira experiência com a prematuridade aos 19 anos. Mesmo com todos os exames e pré-natais em dia, e que indicavam uma gravidez tranquila, Lívia Alves, hoje com 12 anos, nasceu de 34 semanas, passou 15 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e só após cinco anos, durante exames ginecológicos de rotina, Dryelem conseguiu descobrir o que havia de errado.

“Fiz um exame de PCCU e descobri que tenho útero didelfo, ou seja, tenho dois canais uterinos. Engravidei do João, fiz o acompanhamento na maternidade e tudo foi muito bem. Já na gravidez da Loren tive sangramentos, sentia dores, perdi líquido e nasceu com 32 semanas, essa foi minha segunda experiência com prematuridade”, contou.

Dryelem Alves é mãe de três e dois dos partos foram prematuros. Foto: Cedida

Ainda segundo a mãe, foi uma época muito difícil. Loren Alves chegou a ter hemorragia cerebral pelo baixo peso e passou quase seis semanas internada na maternidade.

” É um período de incertezas que a gente não sabe se vai sair do hospital vitoriosa ou se vai sair de mãos vazias. Graças a Deus ela se recuperou, continua fazendo acompanhamento e já está com 10 meses, cheia de saúde. Essa é minha história de superação”, finalizou.

Por SECOM

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas