Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

No Acre, mais de 12 mil vacinados com Janssen contra Covid-19 não possuem previsão para 2ª dose; saiba motivo

_________________Publicidade_________________

O Acre já começou a aplicar dose de reforço nas pessoas sem comorbidades e a partir dos 18 anos que foram imunizadas contra a covid-19, seguindo uma determinação do Ministério da Saúde (MS), mas ainda aguarda o envio de novos imunizantes da Janssen para completar o esquema vacinal de quem foi contemplado com dose única em todo o Estado – em um total que ultrapassa 12 mil.

Até semana passada, pessoas que tomaram a vacina da Johnson & Johnson deveriam permanecer com apenas uma dose, só que o avanço da pandemia e a ameaça de uma nova variante fizeram com que a fabricante autorizasse a aplicação da segunda dose (no intervalo de dois a seis meses) e uma terceira após 5 meses – baseando-se em estudos científicos que mostram aumento significativo na imunidade após a aplicação de mais uma dose da mesma vacina, principalmente com intervalo mais longo, de seis meses. O MS seguiu a orientação e lançou uma nota técnica no último dia 25 de novembro determinando que os Estados e municípios fizessem o desdobramento do processo.

O fato é que a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) não tem previsão para a chegada das vacinas da Janssen, de acordo com a assessoria de comunicação da pasta.

“A Sesacre segue a orientação do MS: a dose de reforço para quem recebeu Janssen (dose única) deve ser com a do mesmo laboratório (Janssen), obedecendo o intervalo de 2 a 6 meses da dose única. O Estado ainda não recebeu do MS o estoque inicial para atender a população acreana. Os municípios não estão orientações a fazer o reforço para quem recebeu Janssen com outro imunizante”, disse a coordenadora do Programa Nacional de Imunização, Renata Quiles.

De acordo com especialistas, a demora compromete o combate à pandemia e à nova variante ômicron, já identificada no Brasil.

O Acre não seguiu o exemplo de São Paulo que, por exemplo, decidiu aplicar a Pfizer como 2ª dose para quem tomou a Janssen, já que o Ministério da Saúde não disponibilizou doses adicionais do último imunizante.

Via-Contilnet

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas