25 de junho de 2022   |   15:04  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Mulher acreana encontrada parcialmente queimada foi morta pelo namorado, diz polícia do DF

Corpo de Marina Paz Katriny, de 30 anos, foi localizado na última quarta-feira (18), perto da BR-070. Segundo polícia, suspeito foi preso nesta segunda-feira (23).

_________________Publicidade_________________

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu, na manhã desta segunda-feira (23), o suspeito de matar Marina Paz Katriny, de 30 anos. De acordo a investigação, o homem era namorado da vítima. A identidade dele não foi divulgada e mais informações devem ser repassadas em entrevista coletiva.

O corpo de Marina Paz foi encontrado parcialmente queimado, próximo a uma estrada de terra, na BR-070, em Taguatinga, na última quarta-feira (18). A vítima era natural de Rio Branco, no Acre, e morava em Brasília há seis anos.

O caso é investigado pela 17ª Delegacia de Polícia e foi registrado como feminicídio. Segundo o delegado Mauro Aguiar Machado, durante o interrogatório, o homem confessou que matou a namorada e detalhou o crime.

Quem era Marina?

Marina foi enterrada no domingo (22), em Rio Branco. Segundo a família, ela era formada em pedagogia e pós-graduada em ensino especial e se mudou para Brasília em busca de mais oportunidades. Antes de morrer, ela trabalhava com atendimento ao público em uma loja de shopping.

A amiga de infância da vítima, Vanessa Bessa, contou ao g1 que há cerca de duas semanas, a vítima havia passado pelo trauma de perder um bebê. A família conta que ela estava no início da gravidez, cerca de 4 semanas, e descobriu que era uma gravidez ectópica.

“Inclusive perdeu um bebê há pouco tempo. Quando foi na primeira consulta para ver como estava o bebê descobriu que a gravidez era nas trompas, então ainda estava se recuperando dessa perda. Mas, pensava ainda em engravidar, disse que não tinha desistido disso”, revela.

Crime

O corpo da vítima foi encontrado por um homem que passeava com o cachorro no local, e acionou o Corpo de Bombeiros do DF. Marina estava vestida e não apresentava ferimentos aparentes, mas tinha parte do rosto e do tórax queimados.

A identificação foi feita por familiares e confirmada pela Polícia Civil do DF (PCDF) dois dias depois. Segundo a corporação, os parentes reconheceram tatuagens da vítima, após a divulgação de fotos.

Nas redes sociais, uma das irmãs de Marina lamentou a morte da “caçulinha”. “Pai recebe minha irmã. Queria estar fazendo dedicatória de aniversário”, escreveu (veja abaixo).

Publicação de irmã de Marina Paz nas redes sociais — Foto: Facebook/Reprodução
Publicação de irmã de Marina Paz nas redes sociais — Foto: Facebook/Reprodução

Fonte: G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS