Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

MP-AC alerta para golpes de criminosos que se passam por promotores para pedir dinheiro

Quadrilha se passa por servidores e membros do MP para pedir apoio logístico e depósitos em dinheiro a população ou prefeituras. No Acre, ainda não há registro da atuação dos criminosos, mas o MP-AC iniciou uma campanha para alerta a sociedade e instituições acreanas.

_________________Publicidade_________________

O Ministério Público do Acre (MP-AC) iniciou uma campanha para alertar a população e instituições acreanas sobre golpes de uma quadrilha que se passa por promotores e servidores do órgão e pede dinheiro pelo WhatsApp. No Acre, ainda há registro da atuação dos criminosos.

Contudo, o MP-AC foi orientado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para ficar atento e orientar a sociedade de que servidores e membros do órgão não fazem contato pedindo dinheiro a ninguém.

A coordenadora do Núcleo Apoio Técnico e representante do MP-AC na Comissão de Prevenção da Autonomia do Ministério Público, promotora Marcela Ozório, explicou que em outros estados os criminosos entraram em contato com algumas prefeituras e pediram apoio logístico com motorista.

“Teve um estado que foi feito uma solicitação de motorista, mas estão melhorando cada vez mais os golpes para envolver as pessoas para essa prática de estelionato. Se fazem passar por membros do Ministério Público, servidores da instituição e pedem apoio, criam toda uma conversa que no fim tem por objetivo que a pessoa faça um depósito em dinheiro. Tem toda uma articulação, não é mais como eram os golpes de antigamente que se pedia diretamente para fazer o depósito”, afirmou.

A promotora orientou também que as pessoas façam a checagem das informações ao receber esse tipo de ligação, seja pelo site do MP-AC ou ligando no telefone fixo do órgão para confirmar as ações informadas.

“A gente não tem esse tipo de conduta de fazer contato. O objetivo da campanha é esclarecer. Aqui ainda não tivemos, mas no Brasil já tivemos casos que se passaram por promotores e servidores. Em alguns estados eles também enviaram mandados de intimação pelo telefone, notificações para comparecimento e tudo isso é com objetivo de haja o depósito em dinheiro”, concluiu.

G1 ACRE

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas