Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Moeda de quase um século que circulou no Brasil é achada no Rio Acre em Cobija

_________________Publicidade_________________

“Ela não me pertence, apesar de ter achado. Quero que a prefeitura de Cobija ou o Governo Departamental faça os trâmites, contatos com a prefeitura de Brasiléia ou autoridades brasileiras para poder entregar esse 1 mil réis (…) Ela é muito importante para ficar comigo, numa próxima oportunidade eu vou entregar”

Quem diria que uma simples vistoria nas obras de limpeza das margens do Rio Acre daria a um jovem a oportunidade de encontrar uma peça de quase um século! Foi justamente o que aconteceu com o boliviano Henrique Vaca Moron que encontrou uma moeda brasileira de 1000 mil réis com data de cunhagem de 1927. Após o achado, o jovem prometeu entregar o material para as autoridades brasileiras.

“Eu encontrei a moeda cheia de lama, de barro, no Rio Acre. Eu estava verificando os trabalhos de limpeza do rio para o aniversário do bairro, ao olhar para o chão encontrei essa moeda brasileira de 1927. Levei para casa, pesquisei e fiquei sabendo qual o período em que foi utilizado no Brasil. É uma moeda que tem um profundo valor histórico para nós, afinal, passavam muitos comerciantes pelo rio Acre, pessoas que vinham do Brasil para cá. Um achado histórico!”, disse Henrique em entrevista ao jornalista Hugo Mopi.

A moeda de 1000 réis circulou no Brasil por pouco período, segundo o Banco Central. Ela foi feita de bronze e alumínio e teve tiragem de aproximadamente 35 milhões de exemplares. Em seu desenho é possível ver uma mulher (Representando a República) segurando uma cornucópia (Na mitologia grega é atribuída à abundância) ao lado de 21 estrelas e da constelação de Cruzeiro do Sul.

No mercado de colecionadores oficiais, segundo mapa de valores de 2020, a peça pode valer até R$ 800 reais. Já no mercado negro, o valor pode cair dependendo do estado da moeda.

Apesar do achado, Henrique disse que quer devolver a moeda para as autoridades brasileiras. “Ela não me pertence, apesar de ter achado. Quero que a prefeitura de Cobija ou o Governo Departamental faça os trâmites, contatos com a prefeitura de Brasiléia ou autoridades brasileiras para poder entregar esse 1 mil réis (…) Ela é muito importante para ficar comigo, numa próxima oportunidade eu vou entregar”, assegurou.

Via – Folha do Acre

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas