Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Meu filho poderia ter sobrevivido se tivesse sido testado’: a tragédia das crianças mortas por Covid no Brasil

Dados compartilhados com a BBC News Brasil mostram que pelo menos 2 mil crianças de até nove anos morreram em decorrência das complicações do novo coronavírus no país; baixa testagem, falta de diagnóstico adequado e más condições socioeconômicas são apontadas como grandes culpadas.

_________________Publicidade_________________

A pandemia de Covid-19 vitimou também os pequenos no Brasil: mais de 2 mil crianças com menos de nove anos já morreram devido ao novo coronavírus, das quais 1,3 mil bebês.

Essas mortes, apesar de raras, são resultado de uma combinação de baixa testagem, falta de diagnóstico adequado e más condições socioeconômicas, dizem especialistas e médicos ouvidos pela BBC.

O filho da professora cearense Jessika Ricarte, Lucas, de um ano, foi uma das vítimas do coronavírus.

Um médico se recusou a testá-lo para Covid-19, dizendo que seus sintomas não se encaixavam no perfil dos doentes. Dois meses depois, ele morreu de complicações da doença.

Lucas foi uma criança muito esperada. Chegou após dois anos de tentativas e tratamentos de fertilidade malsucedidos. Jessika e seu marido, Israel, quase desistiram de ter uma família. Então, ela engravidou.

“O nome Lucas quer dizer ‘iluminado’. E ele foi uma luz em nossa vida. Lucas mostrou que a felicidade era muito maior do que imaginávamos”, diz ela à BBC News Brasil.

Jessika primeiro suspeitou que algo estava errado quando Lucas, que nunca teve problemas para se alimentar, perdeu o apetite.

A princípio, pensou que seu filho estava tendo problemas de dentição. A madrinha de Lucas, uma enfermeira, sugeriu que o menino poderia estar com a garganta inflamada.

Mas depois que Lucas desenvolveu febre, fadiga e dificuldade para respirar, Jessika o levou ao hospital e pediu que seu filho fosse submetido a um teste de Covid.

“O médico colocou um oxímetro nele. Os níveis de oxigenação de Lucas estavam em 86%. Agora sei que isso não é normal”, diz Jessika.

Mas Lucas não estava com febre, e o médico disse: “Minha querida, não se preocupe. Não há necessidade de fazer o teste de Covid. Provavelmente é apenas uma pequena dor de garganta.”

Ele explicou a Jessika que a Covid-19 era rara em crianças, deu alguns antibióticos ao menino e mandou mãe e filho de volta para casa. Jessika suspeitou do diagnóstico, mas não havia outra opção para testar Lucas na época.

Jessika diz que alguns dos sintomas desapareceram no fim do curso de antibióticos de 10 dias, mas o cansaço permaneceu – assim como suas preocupações com o coronavírus.

“Mandei vários vídeos para a madrinha dele, meus pais, minha sogra, e todos falaram que eu estava exagerando, que deveria parar de assistir ao noticiário, que estava me deixando paranóica. Mas eu sabia que meu filho estava diferente, que ele não estava respirando normalmente”, lembra.

Era maio de 2020 e a epidemia de coronavírus se alastrava pelo Brasil. Duas pessoas já haviam morrido em sua cidade, Tamboril, no Ceará. “Todo mundo se conhece aqui. A cidade estava em choque.”

Lucas, de um ano, morreu de Covid-19; sua mãe, Jessika, diz que se ele tivesse feito teste, poderia ter sobrevivido — Foto: Arquivo pessoal/Jessika Ricarte

Lucas, de um ano, morreu de Covid-19; sua mãe, Jessika, diz que se ele tivesse feito teste, poderia ter sobrevivido — Foto: Arquivo pessoal/Jessika Ricarte

O marido de Jessika, Israel, temia que outra visita ao hospital aumentasse o risco de ela e Lucas serem infectados com o vírus.

Mas as semanas se passaram e Lucas foi ficando cada vez mais sonolento. Em 3 de junho, Lucas vomitou várias vezes depois de almoçar, e Jessika sabia que precisava agir.

Eles voltaram para o hospital local, onde o médico testou Lucas para Covid, para descartar a possibilidade da doença.

A madrinha de Lucas, que trabalhava lá, deu ao casal a notícia de que o resultado do exame foi positivo.

“Na época, o hospital não tinha nem ressuscitador”, conta Jessika.

Via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas