Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Mesmo Anvisa aprovando Sputinik V, AC não vai adquirir 1º lote; Gladson participa de reunião

O governador Gladson Cameli havia adquirido 700 mil doses do imunizante em um consórcio dos Estados do Norte e Nordeste, ainda no início desse ano

_________________Publicidade_________________

Mesmo que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tenha aprovado nesta sexta-feira (4) o pedido de importação excepcional das vacinas Sputnik V e Covaxin contra a Covid-19, o Acre ainda não vai receber o primeiro lote do imunizante russo.

O governador Gladson Cameli havia adquirido 700 mil doses em um consórcio dos Estados do Norte e Nordeste, ainda no início desse ano.

A Anvisa autorizou a importação excepcional dos lotes solicitados das vacinas. Isso significa que elas poderão ser importadas pelo Ministério da Saúde (no caso da Covaxin) ou pelos estados (no caso da Sputnik V) e aplicadas. A autorização de aplicação refere-se somente às doses importadas e àquelas fabricadas em plantas inspecionadas pela Anvisa.

Além disso, a autorização vale apenas para os lotes solicitados, ou seja: outros lotes da Covaxin e Sputnik V só poderiam chegar ao Brasil se o pedido à Anvisa fosse refeito.

As farmacêuticas teriam de fazer uma outra solicitação se quiserem a autorização do uso emergencial desses imunizantes, o que permitiria a continuidade da importação.

A agência NÃO concedeu autorização de uso emergencial de nenhuma das duas vacinas. No caso da Sputnik V, esse pedido foi feito pela empresa União Química, que quer produzir a Sputnik V no Brasil, mas o prazo de análise dele está suspenso e depende de informações completas do laboratório — que serão analisadas separadamente pela Anvisa.

A Sputnik V teve dados publicados na revista “Lancet” que apontaram a vacina como segura e eficaz contra a Covid.

Ao autorizar a importação da vacina, entretanto, a Anvisa salientou que o imunizante “não tem avaliação” da agência quanto a qualidade, eficácia e segurança.

Quantas doses foram autorizadas? Para que estados elas irão?

A Anvisa autorizou a importação excepcional de 928 mil doses da Sputnik V por 6 estados, distribuídas da seguinte forma:

Bahia: 300 mil
Maranhão: 141 mil
Sergipe: 46 mil
Ceará: 183 mil
Pernambuco: 192 mil
Piauí: 66 mil doses

Já a Covaxin recebeu autorização de importação para 4 milhões de doses, que serão entregues ao Ministério da Saúde. De acordo com a agência, o gerenciamento de doses foge da competência da Anvisa. As negociações acontecem diretamente entre o Ministério da Saúde e os estados.

Gladson deve participar de uma reunião às 10h deste sábado, com o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), para tratar do assunto.

Sputnik V

A Sputnik V foi desenvolvida na Rússia, é uma vacina de vetor viral (mesma tecnologia de Oxford/AstraZeneca e Johnson) e é aplicada em duas doses, que podem ser dadas com até 3 meses de diferença.

Qual a eficácia da vacina? 91,6%, segundo estudo de fase 3. Esse percentual indica a proporção em que os casos de Covid-19 foram reduzidos entre o grupo vacinado e não vacinado em testes clínicos.

Qual a efetividade da vacina? A efetividade de uma vacina indica a capacidade que ela teve de diminuir os casos de uma doença na “vida real”. Em abril, um estudo preliminar apontou que a efetividade da vacina é de 97,6%, ou seja: ela conseguiu diminuir em 97,6% os casos de Covid que ocorreriam na vida real se as pessoas não tivessem sido vacinadas. Uma outra pesquisa, desta semana, apontou uma efetividade de 78,6% em idosos com a versão de apenas uma dose da vacina, a “Sputnik Light”.

Covaxin

A Covaxin foi desenvolvida na Índia, é uma vacina inativada (mesma tecnologia da CoronaVac) e é aplicada em duas doses, que podem ser dadas com 2 a 4 semanas de diferença.

Tem resultados publicados de fase 3? Não.

Qual a eficácia da vacina? Uma análise preliminar dos dados de fase 3 divulgada em abril apontou uma eficácia de 78%. Isso significa que, em testes clínicos da vacina, ela conseguiu reduzir em uma proporção de 78% os casos de Covid no grupo vacinado em relação ao grupo não vacinado.

Qual a efetividade da vacina? Não se sabe.

Via-Contilnet

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas