Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Membros do Banco Mundial pedem investigação de Weintraub por desinformação

_________________Publicidade_________________

Funcionários do Banco Mundial, no qual o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub é diretor-executivo, pediram em um documento que o brasileiro seja investigado por desinformação em redes sociais sobre a Covid-19 e também por fazer campanha política para cargo eletivo no Brasil.

Na carta enviada ao Comitê de Ética da instituição, à qual a CNN teve acesso, os funcionários do Banco Mundial afirmam que “comportamentos e ações do Sr. Weintraub enquanto membro ativo do Conselho têm gerado preocupações na equipe”.

O documento menciona publicações no Twitter feitas pelo ex-ministro contra a vacina da Covid-19 produzida pelo Instituto Butantan, de origem chinesa, além de vídeos do YouTube nos quais Weintraub diz que “as novas variantes do coronavírus são uma prova de que o vírus foi criado em laboratório”.

A denúncia afirma que as declarações são incompatíveis com o objetivo do Banco Mundial de “lutar contra a Covid-19 em todo o mundo” e que é “inaceitável que um membro do Conselho da Instituição publique informações falsas em redes sociais, aparentemente com o objetivo de politizar a pandemia ou contribuir com teorias da conspiração”.

Campanha política

A segunda acusação dos funcionários do banco é de que Weintraub estaria se promovendo politicamente para cargos eletivos brasileiros enquanto funcionário da instituição, o que vai contra seu regulamento de Ética.

O Código de Conduta do Banco Mundial cita a “exigência de que nem as Organizações, nem seus funcionários, se engajem em atividades políticas em seu país de origem”, afirmando que este caso seria um “claro conflito de interesses”.

No final da carta, os funcionários “pedem formalmente que o Comitê de Ética investigue os comportamentos e ações do Sr. Weintraub, conforme alegado pela equipe do Banco Mundial, para assegurar que estão alinhados com o Código de Conduta e os Valores da instituição”.

Não é claro se Weintraub teria de deixar seu cargo como diretor-executivo caso a investigação conclua que suas atitudes contrariam a conduta do banco.

O Comitê de Ética do Conselho ainda não retornou o pedido, que data de 24 de fevereiro deste ano.

Abraham Weintraub recebeu convite para exercer o cargo em junho de 2020 e foi reeleito pelo conselho em outubro do mesmo ano para representar o Brasil e outros oito países (Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago).

A mesma associação de funcionários já havia pedido a suspensão da nomeação do ex-ministro no cargo até a conclusão de investigações de discursos de cunho preconceituoso sobre a China. O Comitê recusou o pedido afirmando que o Código de Conduta só pode ser aplicado em membros já ativos do Banco Mundial.

Weintraub foi procurado pela CNN, mas, até o momento da publicação desta reportagem, não respondeu o contato.

Via- CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas