Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Marinha Chinesa avança com suposta milícia no Mar da China Meridional

Os 'pequenos homens azuis', barcos de pesca com cascos reforçados, cercaram o recife de Whitsun, um território filipino no Mar da China Meridional.

_________________Publicidade_________________

Eles foram apelidados de “Pequenos Homens Azuis” e são membros de uma suposta milícia marítima controlada pelo governo chinês que analistas dizem que podem ser formada por centenas de barcos e milhares de tripulantes.

A China não reconhece a existência dessa esquadra e, quando questionada, refere-se a eles como uma “suposta milícia marítima”.

Para especialistas ocidentais, porém, essa suposta milícia é parte integrante dos esforços de Pequim para consolidar suas reivindicações territoriais no Mar da China Meridional e além dele. Segundo eles, os navios pintados de azul e suas tripulações (que seriam financiadas e controladas pelo Exército de Libertação Popular, ou ELP) podem garantir uma presença chinesa tão grande em torno de recifes e ilhas disputadas que seria quase impossível impedi-las sem desencadear um confronto militar.

Analistas do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS) em Singapura dizem que nunca viram uma operação chinesa desse porte antes. “O incidente no recife de Whitsun não tem precedentes nessa escala e é notável por sua duração. Trata-se do maior número de navios de pesca chineses reunidos em qualquer época na região, e eles permaneceram lá por várias semanas”, escreveram Samir Puri e Greg Austin .

As Filipinas protestaram contra o incidente no recife perante o governo chinês, citando a “presença maciça e ameaçadora” dos barcos e dizendo que a flotilha estava invadindo áreas de pesca do território filipino. O governo das Filipinas exigiu que os barcos chineses saíssem da área, que consideram uma zona econômica exclusiva.

Pequim respondeu que os barcos, que chegavam a um total de 220 em certo ponto, de acordo com o governo filipino, estavam simplesmente escapando do mar agitado, movendo-se dentro de uma lagoa em forma de bumerangue formada pelo recife de Whitsun – local que o governo chinês chama de Niu’e Jiao e reivindica como parte de seu território.

“Devido à situação marítima, alguns barcos de pesca têm se protegido do vento perto de Niu’e Jiao, o que é normal. Esperamos que os lados relevantes possam ver isso sob uma luz racional”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying. A embaixada chinesa em Manila foi mais direta. “Não há milícia marítima chinesa como alegado”, declarou.

As idas e vindas diplomáticas entre as autoridades filipinas e chinesas continuaram na semana passada, com a embaixada chinesa em Manila classificando como “maliciosos” e “desconcertantes” os comentários do secretário de defesa filipino sobre os barcos chineses. Em resposta, o Departamento de Relações Exteriores das Filipinas atacou a declaração da embaixada chinesa, lembrando que os diplomatas da China são “convidados” em Manila e prometendo fazer protestos diplomáticos diários enquanto os navios chineses permenecerem nas zonas marítimas das Filipinas.

Embarcações chinesas no recife de Whitsun
Embarcações chinesas no recife de Whitsun, atual território filipino no Mar da China Meridional, em 23 de março de 2021

Como funciona a milícia

Apesar das negativas do governo chinês, há pouca dúvida nos círculos ocidentais sobre o que o Pentágono chama de Milícia Marítima das Forças Armadas do Povo (PAFMM na sigla em inglês).

“As Milícias Marítimas das Forças Armadas do Povo não pescam”, afirmou  Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunto do Comando do Pacífico dos Estados Unidos. “Eles têm armas automáticas a bordo e cascos reforçados, o que os torna muito perigosos a curta distância. Além disso, navegam mais rápido do que 90% dos barcos de pesca do mundo, alcançando a velocidade máxima de cerca de 22 nós”.

Alguns especialistas passaram a se referir à milícia como “Pequenos Homens Azuis”, em referência à cor do casco de seus barcos e aos “Pequenos Homens Verdes” da Rússia, soldados em uniformes verdes sem identificação que se infiltraram na Crimeia antes que o governo russo a tomasse da Ucrânia em 2014.

“A Milícia Marítima é usada por Pequim para ‘subverter a soberania de outras nações e impor reivindicações ilegais’”, segundo o texto de um relatório de dezembro feito pelos chefes da Marinha dos EUA.

“A milícia é um componente-chave das Forças Armadas da China e parte do que chama de ‘Sistema de Forças Armadas do Povo’”, escreveram Conor Kennedy e Andrew Erickson, dois proeminentes especialistas norte-americanos, para o US Naval War College em 2017. “É uma força organizada, desenvolvida e controlada pelo Estado, que opera sob uma cadeia de comando militar direta para conduzir atividades patrocinadas pelo estado chinês”, acrescentaram.

A suposta milícia está integrada à frota pesqueira da China, a maior do mundo, com mais de 187 mil embarcações, segundo informou Erickson , mas o número real de barcos armados permanece obscuro para os especialistas ocidentais.

Quaisquer que sejam suas posições, os especialistas dizem que a China pode liderar grandes flotilhas de barcos pesqueiros reais em ações para promover as políticas e reivindicações territoriais do governo chinês – incluindo aquelas no Mar da China Meridional.

“A China costuma ser sigilosa sobre sua Terceira Força Marinha (atrás da Marinha do ELP e da guarda costeira), que pode ser composta por milhares de navios e dezenas de milhares de pessoas. Possivelmente mais”, afirmou Erickson.

Um relatório do Departamento de Defesa dos EUA de 2020 sobre os militares chineses menciona apenas 84 embarcações da milícia marítima, todas atribuídas a uma unidade operando na cidade de Sansha, na ilha de Hainan, no norte do Mar da China Meridional. Criada em 2016, a unidade recebe subsídios frequentes para operar nas ilhas Spratly, segundo o relatório.

“Essa unidade da PAFMM em particular também é a mais profissional da China. Suas forças recebem salários que não dependem de quaisquer responsabilidades claras de pesca comercial e são formadas por veteranos recentemente desligados”, disse o órgão.

Erickson também disse  que os barcos vistos ao redor do recife de Whitsun nas últimas semanas pareciam diferentes daqueles na unidade de Hainan, sugerindo que as embarcações que operam na milícia em tempo integral são mais numerosas do que se pensava anteriormente.

Erickson e seu colega Ryan Martinson afirmaram que o rastreamento de alguns dos barcos chineses em Whitsun, usando a inteligência de código aberto, mostra que eles vieram de Taishan, na província de Guangdong, no sul da China.

Usando dados do sistema de identificação automática, eles disseram que os barcos em Whitsun patrulhavam Union Banks, onde fica o recife de Whitsun, bem como outras partes das ilhas Spratly, como os recifes Subi e Mischief, ambos militarizados pelas forças armadas chinesas.

“Não há nenhuma evidência de pesca durante essas operações extremamente focadas. Todas as ações indicam reivindicações territoriais”, escreveu a dupla.

O resto se espalhou para outros recifes e ilhas disputadas em águas próximas, acrescentou o comunicado.

Vista aérea do recife de Whitsun, território filipino no Mar da China Meridional
Vista aérea do recife de Whitsun, território filipino no Mar da China Meridional

O propósito da milícia

Para especialistas ocidentais, o conceito de uma milícia marítima, ou força naval irregular, permite que a China faça reivindicações territoriais em grande número, sem nunca envolver oficialmente o Exército de Libertação Popular (ELP) propriamente dito.

Mesmo que os navios mais importantes como os mencionados por Erickson e Martinson sejam relativamente pequenos em número, eles podem liderar flotilhas na casa das centenas, como visto no recife de Whitsun.

“Essas operações clássicas que operam nessas ‘zonas cinzentas’ são projetadas para ’vencer sem lutar’, oprimindo o adversário com enxurradas de navios de pesca”, afirmou Derek Grossman, analista de defesa da Rand Corp no ano passado.

Jay Batongbacal, diretor do Instituto de Assuntos Marítimos da Universidade das Filipinas, resumiu o que o governo chinês fez nas últimas semanas em Whitsun e nos últimos anos no Mar do China Meridional (3,3 milhões de quilômetros quadrados de água, quase todos reivindificados por Pequim como território chinês): “Eles agora estão simplesmente ocupando o recife de Whitsun pela mera presença de seus navios”, disse Batongbacal em uma entrevista à National Public Radio.

“Esse é de fato o objetivo da estratégia chinesa: estabelecer o controle real e o domínio sobre todo o Mar da China Meridional por meio desses aumentos de movimentos navais”.

Do ponto de vista tático, os barcos pesqueiros representam centenas de obstáculos que um adversário como a Marinha dos Estados Unidos teria que contornar. A Marinha dos Estados Unidos provavelmente só poderia implantar alguns contratorpedeiros por vez para desafiá-los.

O fato coloca um grande número a favor da China.

“Por serem baratos, os navios de pesca sempre superarão os navios de guerra”, pontuaram o pesquisador da Universidade Johns Hopkins Shuxian Luo e o pesquisador da Universidade de Columbia Jonathan Panter no jornal “Military Review do Exercito dos EUA no início deste ano.

Portanto, mesmo barcos de pesca reais e desarmados, agindo sob a liderança de navios da milícia marítima, podem ser uma força militar eficaz.

“Em vez de uma ameaça cinética, as embarcações de pesca chinesas apresentam uma ameaça mais perturbadora. Distribuídos em números ainda limitados, os barcos de pesca podem inibir, senão proibir totalmente, a capacidade de um navio de guerra de conduzir “ operações de guerra e voos antissubmarino com seus helicópteros, escreveram Luo e Panter.

Do ponto de vista estratégico, “ameaçar essas embarcações é perigoso”, escreveram eles, especialmente para outras nações do Sudeste Asiático que buscam recursos no Mar da China Meridional, mas não têm o poderio militar para enfrentar a China.

“Estados mais fracos, cientes da possível afiliação de navios de pesca chineses ao governo, podem hesitar em se envolver com eles de uma forma que possa provocar uma resposta do governo central chinês”, disseram.

Como a China diz que não são embarcações militares, pode reclamar que qualquer ação contra eles por marinhas ou guardas costeiras estrangeiras constituiria um ataque a civis chineses.

“A força da milícia marítima é sua negação, o que permite que seus navios assediem e intimidem embarcações civis estrangeiras e navios de guerra, ao mesmo tempo que deixam a China com espaço para diminuir ao negar sua afiliação com essas atividades”, escreveram Luo e Panter.

Entretanto, junto com esses números esmagadores para a China, também vêm os riscos, disseram os analistas.

“Os mesmos fatores que tornam a milícia marítima uma força negável (suas tripulações civis e tecnologia de uso duplo) também aumentam o risco de acidentes e agravamentos”, escreveram Luo e Panter.

“Esta é uma mistura tóxica: devido à negação da milícia marítima e aos interesses centrais em jogo, a República Popular da China (RPC) tem um alto incentivo para empregá-la, mas quanto mais frequentes suas operações, maior a probabilidade de interações com embarcações dos EUA que podem sair do controle”.

Além disso, não são apenas as interações com os navios americanos que podem desencadear um conflito mais amplo.

Um comunicado da Casa Branca disse que o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, falou com seu homólogo filipino e disse que o Tratado de Defesa Mútua EUA-Filipinas se aplica a este caso.

Isso significaria que qualquer ação hostil contra as forças ou território filipino por parte da China poderia trazer uma resposta militar dos EUA.

Os EUA se reuniram oficialmente com as Filipinas na semana passada, quando o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, tuitou que teve uma conversa importante com o Secretário de Relações Exteriores das Filipinas, Teddy Locsin, “discutindo nossas preocupações com os navios da milícia da República Popular da China no Mar da China Meridional”.

A China, por sua vez, disse que são os Estados Unidos que estão na raiz das tensões na região – no nível militar, ao enviar seus navios de guerra e aviões de guerra em exercícios; e no nível diplomático, com declarações belicosas.

No meio de 2020, quando o então secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo acusou a China de “intimidar” seu vizinho do Sudeste Asiático, a Embaixada da China em Washington disse que o Departamento de Estado dos EUA “distorcia deliberadamente os fatos, exagerava a situação na região e tentava semear discórdia entre a China e outros países da costa”, segundo o jornal estatal chinês “Global Times”.

Embarcações chinesas no recife de Whitsun
Embarcações chinesas no recife de Whitsun

Atividades prévias

O conceito de uma milícia marítima chinesa remonta aos dias logo após a revolução comunista em 1949, quando o governo de Mao Zedong buscava a defesa costeira, escreveu Grossman, o analista da RAND.

Sem nenhuma marinha, Pequim injetou dinheiro e treinamento em uma milícia marítima que sobrara do regime nacionalista que havia derrubado. Alguns anos depois, a coletivização da pesca local acrescentou uma nova camada de controle do Partido Comunista às milícias.

Na década de 1960, com o desenvolvimento da Marinha do PLA, milícias foram treinadas em táticas e operações militares e usadas mais missões da Marinha do PLA, acrescentou Grossman.

Mas, em 1974, enquanto a China lutava com o então aliado norte-americano Vietnã do Sul pelo controle das Ilhas Paracel no Mar da China Meridional, o uso de navios pesqueiros em operações de combate provou seu valor.

A Marinha do ELP usou duas traineiras de pesca para transportar 500 soldados chineses para as ilhas disputadas, já que a presença de barcos de pesca civis chineses ao redor delas retardou a tomada de decisões militares do Vietnã do Sul, disse o analista da RAND.

Assim que as tropas chinesas se posicionaram, a guarnição sul-vietnamita se rendeu.

“Uma lição importante aprendida pelo governo chinês foi que alavancar as forças da milícia pesqueira traria muito menos probabilidade de desencadear a intervenção dos EUA no assunto, mesmo quando o vizinho ameaçado era um aliado dos EUA”, explicou Grossman.

No Mar da China Meridional, as Filipinas são um desses aliados dos EUA – e a China usou a milícia marítima em operações para obter o controle de um território reconhecido por um tribunal das Nações Unidas como pertencente às Filipinas, dizem especialistas e autoridades.

Grossman e outros observaram a presença de uma milícia marítima em operações chinesas que levaram ao controle de recife Mischief e do banco de areia Scarborough em 1995 e 2012, respectivamente.

pararam em frente ao navio norte-americano, forçando-o a fazer uma parada de emergência para evitar a colisão, segundo relatório da AMTI.

Enquanto isso, outro navio de pesquisa dos EUA, o USNS Victorious, estava sendo cercado no Mar Amarelo, disse o relatório.

A China alegou que os navios norte-americanos operavam ilegalmente em sua zona econômica exclusiva. O governo dos EUA disse que seus navios estão em águas internacionais e que têm todo o direito de estar lá.

A ilha artificial controlada pela China de recife de Mischief
A ilha artificial controlada pela China de recife de Mischief no Mar da China Meridional, vista pela CNN de um avião de reconhecimento dos EUA em 10 de agosto de 2018

Um futuro precário

O incidente de 2009 mostrou como EUA e a China estão próximos de um confronto real por causa do suposto uso de barcos de pesca para fins militares por Pequim. Mas Grossman disse que, dado que nem o incidente do Impeccable ou qualquer uma de suas ocupações de ilhas impediram os avanços chineses, mais ações são prováveis.

“Se a história é uma boa indicação do que esperar no futuro, então o governo chinês provavelmente dobrará o PAFMM em praticamente qualquer cenário imaginável. Isso significa que deve ser uma força a ser reconhecida nos próximos anos”, afirmou.

Puri e Austin, os analistas do IISS, disseram que Pequim já está avaliando as reações ao recife de Whitsun.

“O incidente de Whitsun é uma demonstração poderosa da disposição da China de correr riscos ao reunir uma grande concentração de embarcações em uma área altamente disputada”, escreveram.

“Se essas suposições analíticas forem precisas, a liderança militar da China avaliará o desempenho de sua incursão mais recente da milícia marítima e as respostas que obteve de outros”.

Robert Williams, diretor executivo do Paul Tsai China Center da Yale Law School, disse que a China provavelmente tentará manter as intenções de qualquer milícia marítima (e as regras às quais ela segue) obscuras.

“A China é altamente eficaz na utilização de ferramentas de coerção não militarizadas. Seu governo não está disposta a desistir dessas ferramentas, que considera incorrer em riscos de escalada limitados com os países vizinhos”, postou Williams  da Brookings Institution.

Basicamente, Pequim quer manter Washington – e seus vizinhos do Mar da China Meridional – na dúvida.

“Seria um exagero alegar que o sistema militar chinês aprecia as crises. Muitos pensadores do ELP são altamente sensíveis aos riscos desestabilizadores das crises militares”, escreveu Williams.

Mas a China vê a “sinalização ambígua como fonte de dissuasão”.

Ou seja, se um adversário está constantemente tentando avaliar suas intenções, ele não está agindo.

Via-CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas