Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Londres tem fim de semana de manifestações por assassinato de Sarah Everard

_________________Publicidade_________________

Centenas de pessoas se reuniram pacificamente em homenagem à jovem morta na semana passada por policiais, incluindo Kate, a duquesa de Cambridge.

O desaparecimento de Sarah Everard, de 33 anos, no sul de Londres em 3 de março, provocou uma série de manifestações contra a atuação da polícia e contra o feminicídio no Reino Unido neste final de semana.

Apesar de as ações terem sido pacíficas, a polícia agiu com hostilidade. Flores e velas em homenagem a Sarah foram pisoteadas e manifestantes tentaram ser silenciados.

A polícia negou permissão para uma vigília na noite de sábado (13) em Clapham Common, em Londres, perto de onde Sarah foi vista viva pela última vez, citando regulamentos que visavam prevenir a disseminação do coronavírus.

Mas centenas de pessoas, a maioria mulheres, se reuniram pacificamente no parque neste fim de semana, incluindo Kate, a duquesa de Cambridge.

Mais tarde, no sábado, dezenas de policiais marcharam no meio da multidão aos gritos de “vergonha”. Ocorreram brigas e os policiais arrastaram as mulheres para fora da cena.

“Ontem à noite as pessoas estavam muito, muito chateadas, havia uma grande emoção, de forma completamente compreensível, e a polícia, sendo independente do ponto de vista operacional, terá que explicar isso ao Ministro do Interior”, disse a ministra Victoria Atkins à Sky Notícia.

O chefe da polícia de Londres, Cressida Dick, apoiou seus oficiais e disse que eles precisavam fazer um julgamento muito difícil.

“Ainda estamos em uma pandemia, reuniões ilegais são ilegais, os oficiais precisam agir se as pessoas estão se colocando em risco maciço”, disse Dick a repórteres.

Questionada se estava pensando em se demitir, ela disse: “Não, não estou.”

A secretária do Interior, Priti Patel, ministra encarregada do policiamento, descreveu as imagens do incidente como “perturbadoras”. Seu escritório disse que ela ordenou um inquérito independente depois que um relatório policial inicial deixou algumas perguntas sem resposta.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, também disse não estar satisfeito com a explicação dos chefes de polícia sobre os eventos e disse que a conduta dos policiais deve ser examinada.

“Mulheres não se sentem seguras”

Uma imagem de policiais algemando uma mulher no sábado à noite enquanto ela estava deitada no chão foi amplamente compartilhada e criticada nas redes sociais.

Patsy Stevenson, como ela é chamada, disse à rádio LBC: “O ponto principal que todos tentavam transmitir quando tudo acontecia é que as mulheres não se sentem seguras, não se sentem seguras ao andar por uma rua e esse é o mínimo que deveríamos sentir a liberdade de fazer. “

Ela disse que foi multada em 200 libras (US$ 278) por violar os regulamentos da Covid-19.

O assassinato de Sarah ressoou com mulheres em todo o país, levando milhares a compartilhar nas redes sociais suas experiências de violência e agressões sexuais perpetradas por homens e descrever vividamente o medo diário que sentem.

Neste domingo (14), centenas se reuniram em frente à sede da polícia e marcharam até uma praça gramada fora do parlamento, onde se deitaram em massa em um protesto calmo. Alguns carregavam cartazes anti-policiais, enquanto outros protestavam contra a violência contra as mulheres.

Separadamente, um fluxo constante de pranteadores silenciosos continuou a visitar o local da vigília, colocando flores ao redor de um coreto.

“Estou muito zangada por eles pensarem que têm o direito de ditar como devemos lamentar e como reagir”, disse a estudante Lilith Blackwell à Reuters no coreto.

Um policial acusado do assassinato de Sarah compareceu ao tribunal no sábado.

A polícia encontrou o corpo de Sarah na quarta-feira (10) em uma floresta a cerca de 80 km a sudeste de Londres, em um saco de lixo de um construtor e identificado por meio de registros odontológicos.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas