16 de agosto de 2022   |   20:28  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Leões famintos são obrigados a comer os próprios rabos em Zoológico no México; veja vídeo

Imagens mostram os animais esqueléticos e em condições precárias; dono do estabelecimento está foragido.

_________________Publicidade_________________

Imagens de leões da Fundação Black Jaguar-White Tiger em Tlalpan, na Cidade do México, provocaram indignação internacional na última semana. Os vídeos mostram alguns animais com o rabo decepado. Conforme a denúncia, feita por entidades e atores, os felinos estavam famintos e vinham comendo os próprios corpos para matar a fome.

Um dos denunciantes foi o ator mexicano Arturo Islas Allende. Ele ajudou a divulgar a agonia dos leões, chamando o tratamento do zoológico “holocausto”. As imagens são fortes.

Os vídeos mostram os animais magros e caminhando sem forças, em gaiolas pequenas e com feridas no corpo. Sem comida, alguns deles comeram o próprio rabo. Uma ex-funcionária do estabelecimento, Yael Ruiz, denunciou a fundação para as autoridades e relatou a situação dos bichos.

O dono da fundação, Eduardo Mauricio Moises Serio, também está sendo investigado por vender e criar ilegalmente filhotes de leão, tigre, onça e leopardo. O local está sob o controle das autoridades e o proprietário está foragido.

Autoridades da Cidade do México informaram ao ator que veterinários vão resgatar e cuidar dos animais sobreviventes. “A fundação não tinha os documentos corretos ou licenças legais, a realidade é que era completamente clandestina”, disse o Allende.

Desde que se iniciaram as buscas, inspetores encontraram buracos no chão com o que eles acreditam ser os ossos e restos mortais de mais de 200 grandes felinos.

Grupos de direitos dos animais criticaram o tratamento dos leões na Fundação Black Jaguar-White Tiger, fundação a qual tinha em seus objetivos “resgatar animais de condições adversas em criadouros e circos”. A denuncia também foi feita a Procuradoria Federal de Proteção Ambiental (PROFEPA).

Por O Globo

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS