Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Lei Seca no dia da final da Libertadores vira polêmica no Uruguai

Disputa acontece em período eleitoral, o que impede venda de álcool; em corrida contra o tempo, Parlamento uruguaio aprovou um projeto de lei para suspender a proibição

_________________Publicidade_________________

Na reta final para a disputa entre Flamengo e Palmeiras, que se enfrentam pela final da Libertadores no dia 27 de novembro em Montevidéu, o Uruguai se viu em meio a uma polêmica inusitada: milhares de torcedores brasileiros poderiam ficar sem bebida alcoólica na noite do jogo.

Isso porque, por coincidência, a final da Libertadores acontece no mesmo fim de semana das eleições do BPS (Banco de Previsión Social), uma espécie de INSS do Uruguai. Por lei, a venda de bebida alcoólica fica proibida nas 24 horas anteriores ao encerramento do pleito –a regra valeria a partir das 19h30 do sábado, dia da final. A partida está programada para 17h.

“Das 24 horas anteriores ao encerramento da votação até que ela se encerre, não será permitida a comercialização de bebidas alcoólicas”, diz trecho da lei 7.812, publicada originalmente em 1925 e conhecida como Lei das Eleições.

Organizadora do campeonato, a Conmebol já havia feito chegar aos bares da capital uruguaia um recado para que houvesse “abundância de cerveja gelada” para a final da Libertadores. O Uruguai espera receber cerca de 30 mil brasileiros para o jogo.

Em meio à confusão, representantes do setor de bares e restaurantes passaram a pedir que houvesse pouca ou nenhuma fiscalização nos estabelecimentos na noite da final. 

Em uma corrida contra o tempo, o Parlamento uruguaio aprovou na terça-feira (16) um projeto de lei que suspende, por uma única vez, a aplicação da Lei Seca durante as eleições para o BPS – e, assim, libera a venda de bebida alcoólica no fim de semana da Libertadores.

Proposto pelo senador Germán Coutinho, do Partido Colorado, o texto foi tratado de forma “grave e urgente” pelos parlamentares. A votação foi realizada de forma expressa: com poucas horas de diferença, o projeto foi aprovado pelo Senado e pela Câmara dos Deputados.

Partido de oposição, o Frente Amplio votou a favor da proposta, mas incluiu um artigo que mantém a proibição da venda de bebidas alcoólicas em lugares onde haja votação, como clubes esportivos, por exemplo.

O texto agora deve ser promulgado pelo presidente uruguaio Luis Lacalle Pou. A expectativa é de que a lei passe a entrar em vigor a partir desta sexta (19).

Por UOL

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas