Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Justiça bloqueia transferência feita pelo PIX após técnico jurídico cair em golpe em aplicativo de mensagem

Vítima recebeu mensagem de criminoso se passando por amigo pedindo R$ 710, no último dia 9. Após transferência, técnico descobriu que o aplicativo de mensagem do amigo tinha sido clonado.

Um técnico jurídico da Justiça do Acre conseguiu bloquear uma transferência feita pelo PIX após ser vítima de um golpe em um aplicativo de mensagem. O técnico transferiu R$ 710 para uma pessoa que se passou por um amigo, no último dia 9, em Rio Branco.

O criminoso fingiu ser um amigo de trabalho do técnico que ele conhece há mais de dez anos. Na mensagem, o bandido pediu para que vítima transferisse o dinheiro no CPF de uma pessoa porque ele não estava conseguindo concluir o procedimento.

Concentrado no trabalho, a vítima, que pediu para não ter o nome divulgado, fez a transferência e continuou as atividades.

“Como esse meu colega está em um processo de negociação de financiamento imobiliário acreditei que ele estava realmente precisando pagar alguém e não estava conseguindo. A mensagem dizia: Você teria como transferir para esse CPF um PIX porque não estou conseguindo?’. Como ele me falou que me devolvia no dia seguinte, não pensei e cai”, lamentou.

A vítima só desconfiou que tinha caído em um golpe quando o criminoso pediu uma segunda transferência. Nesse momento, o técnico ligou para o amigo e descobriu que o aplicativo de mensagem dele tinha sido clonado.

“Aí liguei para ele e disse que não era para mandar porque o WhatsApp dele foi clonado. Aparentemente, era como se ele tivesse conversando normal comigo. O WhatsApp dele foi clonado, não conseguimos acessar, eu estava sem acessar as redes sociais porque ele postou na rede social, e acabei caindo no golpe”, afirmou.

Processo

Diante da situação, o técnico registrou um boletim de ocorrência na delegacia virtual da Polícia Civil e pediu ajuda a um amigo advogado para pedir o bloqueio do dinheiro. O pedido foi acatado pelo Juízo da 4ª Vara Cível de Rio Branco.

“Sou servidor do Judiciário também, estou em teletrabalho e, por isso, estava concentrado nas minhas atividades e por todo esse contexto acabei me fragilizando ainda mais. Por isso, busquei a polícia, registrei um boletim de ocorrência e busquei o Judiciário porque uma restrição na conta vinculada ao CPF poderia garantir meu valor. O juiz daria ordem, a secretaria realizaria o bloqueio e ficaria mais difícil do estelionatário movimentar aquela conta”, destacou.

Orientação

O advogado Leonardo Vasconcelos disse que tem sido muito comum os estelionatários aplicaram golpes por aplicativos de mensagens. Os bandidos passam informações sobre a pessoa, pedem dinheiro, geralmente, em um momento em que a vítima está muito ocupada com algo ou se passam por conhecidos.

Segundo Vasconcelos, muitos colegas e conhecidos do Judiciário também têm caído nos golpes e ele deixa um alerta.

“Esses golpistas, geralmente, te pegam em um momento em que está preocupado com o trabalho e te passam informações que parecem tão verídicas que você acaba caindo. Você tem que manter a calma na hora, interrompe o que você está fazendo, liga para a pessoa e confirma se realmente é ela. Uma vez enviado um PIX, que não é estornável, então, é uma burocracia muito grande. O própria banco orienta: se você fizer uma transferência errada, liga e pede de volta o valor. Assim é mais fácil’, disse.

G1 ACRE

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas