Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Judoca alemã que levou tapas nas Olimpíadas defende técnico

_________________Publicidade_________________

A judoca Martyna Trajdos, da Alemanha, defendeu seu técnico, Claudiu Pusa, que foi criticado e recebeu uma advertência formal após “estapeá-la” antes de uma luta nos Jogos.

No vídeo, é possível ver Pusa puxar Trajdos pelo quimono com força e, em seguida, dar dois tapas no rosto da atleta. A imagem rapidamente gerou forte reação.

A agressão ocorre em meio a uma Olimpíada marcada pela discussão sobre a igualdade de gênero.

Trajdos afirmou que a agressão é um “ritual que escolhi antes da competição”. “Meu treinador está apenas fazendo o que eu quero para me animar!”, escreveu a atleta alemã em uma rede social.

Mas a explicação não satisfez a Federação Internacional de Judô (FIJ), que disse ter emitido “um sério aviso oficial” para o técnico da seleção alemã pelo “mau comportamento”.

Segundo o FIJ, o judô “é um esporte educacional e, como tal, não pode tolerar esse tipo de comportamento”.

Trajdos, que perdeu a luta, também escreveu no Instagram que “parece que não foi duro o suficiente” (em referência aos tapas).

A atleta alemã tem 32 anos e compete na categoria até 63 kg. Ela tem um bronze no Mundial de 2019, em Tóquio, e foi derrotada pela judoca brasileira Mariana Silva na Rio 2016.

Igualdade de gênero

A questão da igualdade de gênero ficou evidente logo na cerimônia de abertura da Tóquio 2020: a maior parte dos países atendeu ao pedido do Comitê Olímpico Internacional (COI).

No ápice da cerimônia, a tenista Naomi Osaka acendeu a pira olímpica e foi a protagonista do momento mais simbólico dos Jogos. Mas, apesar disso, a diferença de gênero ainda é muito grande: 20 homens já lideraram o principal momento da abertura, contra 9 mulheres (contando Osaka).

Após um ano de adiamento, a abertura das Olimpíadas de Tóquio traz mensagem de igualdade e de esperança

Após um ano de adiamento, a abertura das Olimpíadas de Tóquio traz mensagem de igualdade e de esperança

As Olimpíadas de Tóquio são também os Jogos da diversidade, com mais atletas lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, queer e não binários assumidos do que Londres 2012 e a Rio 2016 juntas.

Em Paris 2024, o COI já definiu que os jogos terão o mesmo número de atletas homens e mulheres pela primeira vez na história.

Via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas