Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Jornalista Cruzeirense tatua carta achada no dia da morte da mãe escrita para ele há seis anos: ‘sou um privilegiado’

Ralime Said Assen morreu aos 93 anos de causas naturais em Rio Branco na última segunda-feira (23).

_________________Publicidade_________________

Um legado de amor estendido a 15 filhos, 56 netos, 37 bisnetos e 10 tetranetos. A grande família da idosa Ralime Said Assen, de 93 anos, teve que se despedir dela nessa segunda-feira (23). Já debilitada devido à idade, ela morreu de causas naturais em casa, na capital acreana, após a falência múltipla dos órgãos.

E foi procurando alguns documentos que um dos filhos achou uma carta direcionada ao irmão, escrita cerca de seis anos atrás, quando Adelcimar Carvalho completava 50 anos.

Com uma caligrafia trêmula e assinada por ela em uma página de agenda dedicada aos aniversários, ela escreveu ao filho:

“Hoje está fazendo 50 anos que Deus me presenteou com uma linda criança, que cresceu e tornou-se este filho bom, bom irmão e bom amigo de quem o procura. Que Deus te abençoe e te livre de todos os males. Com votos de felicidades, paz e amor da mãe que te quer muito.”

Após ter acesso à carta que só chegou em suas mãos após a morte da mãe, o jornalista então decidiu eternizá-la na pela com uma tatuagem. A ideia inicial de todos os irmãos era tatuar a assinatura da mãe, mas Carvalho decidiu tatuar toda a carta como uma forma de gravar na pele o amor de sua mãe por ele. E foi assim que aos 56 anos ele fez sua primeira tatuagem.

“A primeira ideia era todos os filhos fazerem a assinatura dela no braço, mas o meu irmão que achou a carta disse que se fosse para ele, faria a carta como tatuagem e aí decidi tornar isso real e eternizar esse amor da mamãe por todos nós. Essa carta me marcou muito e me mostra que o amor que sempre tive por ela não era em vão, porque ela tinha um coração muito grande e deu muito amor para as pessoas com quem conviveu e eu sou um dos privilegiados que tive esse amor de mãe, de protetora e zeladora. Então eternizei isso para que todos que convivem comigo lembrem que eu tive, tenho, uma mãe e que ela me marcou muito”, diz emocionado.

Mesmo com a dor da perda, o jornalista diz que se sente grato por ter tido Ralime como mãe. Ele diz que pretende levar o legado da mãe para a eternidade e a tatuagem sempre vai transbordar o amor incondicional dela aos filhos e toda a família.

“Sei que ela cumpriu com esmero sua missão terrestre e só nos resta agradecer a Deus por ter tido ela esse tempo todo conosco. Faz e fará falta, mas merecia descansar.”

Ralime morreu aos 93 anos de causas naturais  — Foto: Arquivo pessoal

Ralime morreu aos 93 anos de causas naturais — Foto: Arquivo pessoal

Via-G1-Acre

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas