Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Inteligência dos EUA indica nova interferência da Rússia nas eleições de 2022

_________________Publicidade_________________

O governo do presidente Joe Biden está recebendo informações regulares da inteligência que indicam os esforços da Rússia para interferir, de novo, nas eleições dos Estados Unidos, segundo informações de funcionários e ex-funcionários. Essa prática nunca parou, apesar dos avisos de Biden ao presidente russo Vladimir Putin e de uma nova rodada de sanções impostas. 

Biden começou a mencionar deliberadamente as operações da  Rússia há duas semanas, quando revelou em declarações públicas e a inteligência de que havia recebido informações novas sobre “o que a Rússia já está fazendo sobre as eleições de 2022 e a desinformação” em seu informe diário de inteligência. 

“É uma violação pura de nossa soberania”, disse Biden na época.

Uma pessoa familiarizada com o assunto confirmou que houve relatórios de inteligência recentes sobre o que os russos estão fazendo, em particular seus esforços para espalhar desinformação nas redes sociais e armar a mídia americana para fins de propaganda. Há alguns sinais de que Moscou está agora tentando capitalizar o debate em curso nos EUA sobre vacinas e o uso de máscaras, disseram outras fontes à CNN.

Fontes que monitoram de perto a atividade russa dizem que as táticas de Moscou estão evoluindo e são mais sofisticadas do que suas atividades no início de 2016, que incluíam esforços fáceis de serem rastreados, como a compra de anúncios no Facebook. Eles também enfatizam que as eleições não são o único objetivo russo.

“Definitivamente, há um aumento na atividade em torno das eleições. Eles estão interessados ??nas eleições, mas a atividade continua”, disse Emily Harding, que foi vice-diretora de gabinete do Comitê de Inteligência do Senado. “Nunca parou realmente e não devemos ligar nossa atenção ou esforços apenas no ciclo eleitoral, porque isso não acontece”.

Sanções à Rússia e sua interferência nas eleições

Em abril, o Departamento do Tesouro sancionou um total de 32 grupos e indivíduos russos, incluindo serviços de inteligência, em retaliação ao que a comunidade de inteligência dos EUA acusou de um plano deliberado para influenciar as eleições presidenciais dos EUA em 2020, espalhando informações falsas sobre Biden durante sua campanha contra o então presidente Donald Trump.

Em junho, durante a cúpula com Putin em Genebra, Biden alertou o presidente russo para monitorar as atividades cibernéticas maliciosas de seu país, incluindo ataques de ransomware e interferência na política americana. Mas, dados os novos relatórios, é claro que a mensagem não se sustentou, pelo menos não ainda. Biden após a cúpula procurou moderar as expectativas.

“Descobriremos nos próximos seis meses a um ano se realmente temos ou não um diálogo estratégico que importa”, disse Biden na época. “Vamos descobrir se temos um acordo de segurança cibernética que comece a trazer alguma ordem.”

Bill Evanina, que era o oficial sênior de inteligência encarregado de informar os candidatos presidenciais sobre as ameaças às eleições de 2020, disse que os russos vão “ignorar” a mensagem que Biden enviou na cúpula, “já que ignoraram todas as mensagens nas últimas décadas”. 

“Não acho que ninguém no governo Biden ou no Congresso acredite que Putin mudará qualquer um de seus comportamentos porque pedimos que ele o faça”, acrescentou Evanina, que saiu após a eleição e agora é CEO da consultoria The Evanina Group. 

“Garantir nossas eleições é fundamental para nossa democracia”, disse um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional à CNN em um comunicado. “Monitoramos constantemente as ameaças, incluindo esforços estrangeiros para influenciar ou interferir em nossos processos democráticos, e trabalhamos em estreita colaboração com as autoridades eleitorais estaduais e locais para proteger nossas eleições.”

“Um estado de conflito perpétuo”

Os líderes militares e estratégicos da Rússia incorporam táticas de guerra de informação em tempos de guerra e de paz, de acordo com um relatório de 2020 do Centro de Engajamento Global do Departamento de Estado, uma doutrina que “fala sobre a formulação estratégica da Rússia que está em um estado de conflito perpétuo com seus supostos adversários. “

Mas embora a estratégia geral da Rússia possa permanecer a mesma, disse Evanina, suas “táticas estão mudando constantemente”.

Um grande motivo para isso, observou ele, é que os serviços de inteligência da Rússia estão competindo uns com os outros, então eles “procuram constantemente oportunidades para impressionar o chefe com maneiras novas e criativas de semear discórdia aqui e causar estragos em nossa democracia”.

Em vez de simplesmente tentar conquistar a vitória de um determinado candidato, como Moscou tentou fazer em 2016 e 2020 com Trump, a estratégia mais ampla dos serviços de inteligência russos é se concentrar em ampliar os abismos sociais entre os extremistas americanos, vozes de ambos os lados da divisão política, disseram Harding, Evanina e outros.

A comunidade de inteligência no início deste ano divulgou um relatório que concluiu que o governo russo interferiu nas eleições de 2020 com um impulso de desinformação que buscava manchar a campanha do presidente Joe Biden e apoiar Trump. O relatório do Escritório do Diretor de Inteligência Nacional descobriu que a Rússia usou “representantes ligados à inteligência russa” para pressionar por afirmações mentirosas sobre Biden.

“Os mesmos meios de comunicação que estavam promovendo propaganda eleitoral e desinformação ainda o fazem, principalmente no que diz respeito à insurreição da época”, disse Clint Watts, ex-agente do FBI que agora trabalha no Foreign Policy Research Institute. “Putin está do lado dos insurgentes e eles continuarão a pressionar em nome do Partido Republicano e contra Biden.”

No verão de 2020, agentes russos usaram fóruns online para espalhar visões extremistas sobre Black Lives Matter e, simultaneamente, sobre a polícia. E, mais recentemente, Moscou tentou explorar o debate sobre a vacina.

O Center for Global Engagement começou a alertar no ano passado que a Rússia estava usando sites marginais para tirar proveito das dúvidas sobre vacinas nos Estados Unidos, promovendo teorias de conspiração em torno da vacina contra o coronavírus. O Facebook anunciou na quarta-feira (11) que removeu centenas de contas do Facebook e Instagram que estavam em grande parte esgotadas na Rússia e que estavam espalhando teorias de conspiração de vacinas para “audiências principalmente na Índia, América Latina e, em uma extensão muito menor, nos Estados Unidos.” a um relatório publicado pela empresa de mídia social.

“Não é como se eles estivessem escolhendo um lado”, disse Harding. “Eles estão sentados em ambos os lados e gritando das bordas.”

E quanto à China e ao Irã?

A comunidade de inteligência advertiu publicamente que a China e o Irã também tentaram se intrometer na política americana, mas uma fonte familiarizada disse que, até o momento, não houve indicação de que qualquer uma das nações esteja ativamente visando as eleições de 2022.

Em qualquer caso, as duas nações abordam as operações de influência nos Estados Unidos de forma diferente da Rússia, disseram várias fontes.

A China “tem intensificado seus esforços para moldar o ambiente político nos Estados Unidos para promover suas preferências políticas, moldar o discurso público, pressionar figuras políticas que Pequim acredita opor seus interesses e reprimir as críticas à China em questões como liberdade, religião e a repressão à democracia em Hong Kong “, alertou a comunidade de inteligência em uma avaliação de ameaças. 

Mas os esforços de Pequim são mais “abertos”, disse uma fonte, como pressionar empresas e políticos americanos ou publicar sua própria narrativa política na mídia estatal.

Essas mensagens, teoricamente, poderiam acabar vazando pelo sistema digestivo das redes sociais americanas e, potencialmente, tendo uma influência na opinião pública. Mas “a inteligência chinesa não é muito boa em manipulação social” e não se concentrou nisso, disse Evanina. “A Rússia é dona desse espaço.”

via-CNN

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas