7 de agosto de 2022   |   14:00  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Instituto lança ‘Agenda Mais SUS’ com propostas sobre saúde pública para os presidenciáveis

Preparação para emergências sanitárias e valorização da saúde mental estão entre os principais pontos destacados.

_________________Publicidade_________________

Fundado pelo economista e ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, o Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS), em parceria com a associação civil Umane, lançou nesta segunda-feira um documento com seis propostas concretas para melhorar a eficiência e a qualidade do Sistema Único de Saúde (SUS).

Sem desconsiderar os avanços nos últimos trinta anos, com melhoras substantivas em indicadores como expectativa de vida e mortalidade infantil, a chamada “Agenda Mais SUS” é endereçada aos candidatos à Presidência da República e destaca que ainda há um longo caminho a ser percorrido para que o acesso à saúde seja universal, como prevê a Constituição Federal. Para chegar lá, o documento defende:

  1. Ampliar recursos e orientar o financiamento para induzir a universalização do SUS;
  2. Fortalecer a Atenção Primária;
  3. Inovar em mecanismos de governança regional;
  4. Garantir a disponibilidade e efetividade de Recursos Humanos;
  5. Valorizar e promover a saúde mental;
  6. Fortalecer o sistema para o enfrentamento de emergências de saúde pública.

Segundo o diretor de Políticas Públicas do IEPS, Arthur Aguillar, o Brasil está na contramão da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), já que os países membros investem em média 7,63% do PIB em saúde pública.

— Essa cifra é de apenas 3,95% no Brasil. Então, propomos um aumento contínuo do gasto em saúde, chegando até 5% do PIB em 2026 e 6% em 2030, número recomendado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em documento do qual o Brasil é signatário — disse Aguillar.

Como alternativas de financiamento, o instituto defende reduzir ou zerar a renúncia fiscal em saúde (que em 2018 chegou a 57,7 bilhões), realocar recursos de outras áreas do orçamento público ou aumentar a taxação de produtos prejudiciais à saúde, como álcool, tabaco alimentos ultraprocessados e bebidas açucaradas.

— Aumentar o aporte financeiro é um esforço necessário, mas não suficiente — diz Arthur Aguillar.

O documento também propõe repensar o modelo de financiamento da atenção primária, instituindo um mínimo nacional per capita de financiamento, com complementação da União, e remuneração de acordo com a melhora nos indicadores regionais.

— O sistema ainda precisa aprender a lidar com os principais desafios de saúde da população: 98% dos municípios brasileiros não bateram a meta de aferição de pressão arterial dos hipertensos, mais da metade dos tratamentos de câncer feitos no SUS são iniciados nos estágios três e quatro, quando as chances de cura são substancialmente menores.

Já segundo a diretora de Saúde da Escola de Saúde Pública de Harvard, Márcia Castro, os desafios se juntam ao rápido envelhecimento da população brasileira, à sobrecarga de doenças crônicas, aos desafios associados à mudança climática e à emergência de pandemias como a Covid-19.

— O ritmo de envelhecimento da população do Brasil é cerca de três vezes mais rápido do que no Reino Unido e na França, o que implica em uma maior carga de doenças crônicas. Soma-se a isso problemas como fome, insegurança alimentar, obesidade, queda da cobertura vacinal e emergência de doenças que já haviam sido eliminadas. Ainda existe uma demanda de serviços represados pela pandemia, uma piora na saúde mental e uma demanda devido a sequelas da Covid-19 — ressaltou Castro.

Por Agência Brasil

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS