22 de maio de 2022   |   12:00  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Indígenas ianomâmi que haviam sumido são localizados longe de comunidade, diz liderança

Caso ocorreu na noite dessa quinta-feira (5) no bairro Doca Furtado, em Rio Branco. Tailine da Silva Fernandes, de 33 anos, já foi encontrada sem vida dentro apartamento.

_________________Publicidade_________________

Os indígenas que desapareceram na região de Aracaçá, na Terra Indígena Yanomami, foram localizados, segundo informou o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kwana (Condisi), Júnior Hekurari Yanomami. A informação foi revelada pela “Folha de S.Paulo” e confirmada na manhã desta sexta-feira (6).

Os indígenas desapareceram na última semana de abril. O sumiço foi relatado pelo presidente do Condisi, durante uma viagem do órgão e da Polícia Federal até a comunidade indígena

De acordo com Júnior Hekurari, os indígenas foram localizados longe de Aracaçá. Além disso, alguns indígenas foram encontrados acompanhados de garimpeiros.

Aldeia queimada e menina estuprada: o que se sabe sobre crimes na Terra Indígena Yanomami

Aldeia queimada e menina estuprada: o que se sabe sobre crimes na Terra Indígena Yanomami

O novo local não foi informado pelo presidente, mas outras informações vão ser enviadas por meio de nota à imprensa ainda nesta sexta, de acordo com a liderança.

Indígenas relataram ataque

Na noite do dia 25 de abril, o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kwana (Condisi-YY), Júnior Hekurari Yanomami, divulgou um vídeo dizendo que uma menina de 12 anos havia sido estuprada e morta durante um ataque de garimpeiros.

Na mesma ação, uma tia, segundo ele, tentou salvar a menina. Na confusão, uma criança, filha dessa tia, caiu no rio e desapareceu. O relato de Hekurari, com base em informações recebidas por ele via rádio de pessoas da região, foi comunicado por meio de ofício para o Ministério Público Federal, Funai e Polícia Federal na manhã seguinte, dia 26.

Durante as investigações em Aracaçá, Hekurari, que estava na equipe integrada por agentes da PF, Funai e MPF, informou, logo que chegou da comunidade a Boa Vista, que não encontrou os indígenas, e uma das cabanas e um local semelhante a um barracão estavam queimados.

Até o momento, não se sabe quem queimou o local. Há uma suspeita de que possam ter sido garimpeiros. No entanto, também podem ter sido os próprios indígenas.

G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS