nov_azul_7.png

Variedades

'Inflação do aluguel' desacelera em outubro, mas alimentos sobem mais

A inflação calculada pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) perdeu força em outubro, após a disparada do mês anterior. O indicador, que é usado para corrigir a maioria dos contratos de aluguel residencial, ficou em 3,23% este mês, depois de atingir 4,34% em setembro.


Mesmo com a desaceleração, é a maior taxa para um mês de outubro desde 2002, quando ficou em 3,87%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (29) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Em 12 meses, o IGP-M passou a acumular alta de 20,93%, e no ano, de 18,10%.


A desaceleração do indicador foi puxada pela trégua nos preços do minério de ferro, que caíram 0,71%, depois de subirem 10,81% em setembro. Com isso, o Índice de Preços no Atacado (IPA), um dos três componentes do IGP-M, desacelerou de 5,92% para 4,15%.


Mas os preços para o consumidor, medidos pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e da construção - os outros dois índices que compõem o IGP-M - tiveram nova aceleração este mês. O IPC passou de 0,64% para 0,77% (a maior variação desde dezembro de 2019, quando ficou em 0,84%), enquanto o INCC acelerou de 1,15% para 1,69%.

Alimentos pesaram nos preços ao consumidor

Os dados da FGV apontam que os preços dos alimentos para o consumidor continuaram acelerando este mês. A taxa, que havia ficado em 1,30% no mês anterior, atingiu 1,90%. Três dos quatro itens com maior influência de alta sobre o IPC este mês foram alimentos: arroz (14,84%), óleo de soja (22,87%) e tomate (11,30%).

 

 sicredi2.png

© Copyright 2015 - Empresa Cruzeirense de Telecomunicações de Rádio e TV LTDA

Image
Image
Image

PUBLICIDADE

Image