Image
Image
Image
Image
Image


    #

    Cotidiano

    Promotoria da Espanha pede prisão de 8 anos para militar brasileiro detido com cocaína em avião presidencial

    Sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues foi preso em junho com 37 quilos de cocaína. Denúncia pede pagamento de multa superior a R$ 18 milhões.

     

    A promotoria da Espanha pediu oito anos de prisão ao militar brasileiro Manoel Silva Rodrigues, que entrou no país com cocaína em avião presidencial durante viagem de comitiva para o encontro do G-20, ocorrido no Japão em junho.

    A denúncia diz que o sargento da Aeronáutica foi flagrado com 37 pacotes retangulares de cocaína, que, juntos, somavam 37 quilos. Inicialmente, a informação era de que os policiais apreenderam 39 quilos da droga.

    A prisão ocorreu durante parada no aeroporto de Sevilha em 25 de julho. O militar estava em um dos aviões da comitiva que levava o presidente Jair Bolsonaro à cúpula na cidade japonesa de Osaka. Bolsonaro, no entanto, não estava no avião do militar e, segundo a Aeronáutica, a tripulação ficaria na cidade espanhola para dar apoio ao grupo que viajava com o presidente.

    Além dos oito anos de prisão, a promotoria espanhola pede que Rodrigues pague multa de 4 milhões de euros – mais de R$ 18 milhões. A Aeronáutica do Brasil também instaurou investigação sobre o caso.

    Até a última atualização desta reportagem, o G1 não havia conseguido contato com a defesa de Rodrigues. Ele não é mais representado pelo primeiro advogado que ficou responsável pelo caso.

    Espanha pede 8 anos de prisão a militar que carregou cocaína em avião da FAB

    Prisão na Espanha
    De acordo com o inquérito da Aeronáutica obtido pela TV Globo, o sargento somente precisou submeter a bagagem a um raio-x em Sevilha. Na Base Aérea de Brasília, houve apenas pesagem das malas — e Silva Rodrigues sequer passou por esse procedimento.

    Na Espanha, o raio-x detectou presença de material orgânico na bagagem do militar. Questionado, o sargento voltou a afirmar que levava queijo a uma prima que morava na Espanha.

    Sargento que levou cocaína em voo da FAB vai responder a dois inquéritos

    Quando as autoridades espanholas detectaram a presença de cocaína, Silva Rodrigues ficou em choque e não disse mais nada no local. Apenas depois, já à Justiça, o militar brasileiro afirmou que não sabia que havia cocaína na bagagem.

    A TV Globo apurou que Silva Rodrigues fez ao menos 30 viagens nacionais e internacionais pela Força Aérea Brasileira nos últimos cinco anos e transportou, além de Bolsonaro, os ex-presidentes Michel Temer e Dilma Rousseff.
    Neste ano, o sargento esteve duas vezes na Espanha, em Las Palmas e em Madrid. De acordo com militares que viajaram com eles, não houve nessas ocasiões controle de raio-x no desembarque nos aeroportos espanhóis.

    O incidente levou a comitiva que levava Bolsonaro a transferir a escala do avião do presidente, que chegaria depois, de Sevilha a Lisboa.

    banner sicredi

    banner gazin 300

    © Copyright 2015 - Empresa Cruzeirense de Telecomunicações de Rádio e TV LTDA

    Image
    Image
    Image

    PUBLICIDADE

    Image