Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Homem que matou a esposa após ela descobrir traição segue preso e tem denúncia aceita pela Justiça do AC

_________________Publicidade_________________

Adriana Paulichen foi morta por facadas e depois estrangulada na frente do filho de seis meses. Ministério Público também pede que o acusado pague dois salários mínimo para a família da vítima.

O juiz Alesson Braz, da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco e Auditoria Militar, aceitou a denúncia do Ministério Público contra Hitalo Marinho Gouveia, de 33 anos, preso ao confessar ter matado a esposa Adriana Paulichen, de 23 anos, com duas facadas e por estrangulamento no dia 9 de julho em Rio Branco.

A denúncia, assinada pelo promotor de Justiça Efrain Mendoza Filho, aponta crime torpe contra mulher por razões do sexo feminino (feminicídio), com recurso que dificultou a defesa da vítima.

“A ação do denunciado tomou por base a torpeza, visto que suas ações são imorais, vergonhosas, repudiadas moral e socialmente, e demonstram com clareza a depravação espiritual do agente. Matou a vítima por esta não aceitar suas traições. Importa ainda destacar que o crime foi praticado dentro do ambiente familiar, valendo-se das relações domésticas, visto que a vítima era esposa do denunciado. O crime foi cometido na presença do filho da vítima, um bebê de poucos meses de idade, que levará consigo esse trauma ao logo de toda a sua vida, carregando o estigma deque seu pai executou de forma fria e perversa sua mãe”, destaca o promotora denúncia.

Além disso, o juiz negou também o pedido da defesa de liberdade provisória. Logo, Gouveia segue preso no Complexo Penitenciário de Rio Branco. O pedido de liberdade provisória foi protocolado no dia seguinte do crime. No pedido de liberdade, a defesa alegava que ele é réu primário, tinha bons antecedentes e tinha casa fixa e ocupação lícita.

O promotor qualifica ainda o crime hediondo cometido contra Adriana por motivo torpe, com agravante de asfixia, à traição e contra a mulher por razões da condição de sexo feminino (feminicídio).

Hitalo Marinho Gouveia teve o pedido de liberdade negado e permanece preso — Foto: Arquivo

Hitalo Marinho Gouveia teve o pedido de liberdade negado e permanece preso — Foto: Arquivo

O MP-AC pede ainda o pagamento de indenização à família da vítima, ascendentes e descendentes, na ordem de dois salários mínimos, ou seja R$ 2,2 mil , por cada mês de vida que teria a vítima até completar a idade de expectativa de vida da mulher brasileira.

Ainda na segunda-feira (2), o Ministério Público pediu quebra de sigilo telefônico tanto da vítima como do acusado, destacando que quer a relação de ligações efetuadas e recebidas no dia do crime e nos dois dias que o antecederam, constando, o dia, horário e, se possível, o nome do contato.

Por G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas