7 de agosto de 2022   |   23:26  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Hepatite misteriosa em crianças: dois estudos apontam novo vírus como possível causa da doença

Trabalhos feitos de forma independente concluíram que o AAV2 pode ter provocado a doença que já matou 22 crianças.

_________________Publicidade_________________

Dois novos estudos feitos de forma independentes — um na Escócia e outro na Inglaterra — apontaram para uma possível causa da hepatite misteriosa que vem afetando crianças em todo o mundo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) relatou pelo menos 1.010 casos prováveis da hepatite misteriosa, incluindo 46 que exigiram transplantes e 22 mortes pela doença desde outubro passado.

As teorias anteriores se concentraram em um aumento nas infecções por adenovírus comumente encontradas por trás dos casos. No entanto, os cientistas que participaram destes dois novos estudos descobriram que outro vírus , o AAV2 (vírus adeno-associado 2) desempenhou um papel significativo e estava presente em 96% de todos os pacientes examinados.

O AAV2 normalmente não é conhecido por causar doenças e não pode se replicar sem a presença de outro vírus “auxiliar”. Ambas as equipes concluíram que a co-infecção com AAV2 e um adenovírus, ou às vezes o vírus HHV6, que causa herpes, oferecia a melhor explicação para a doença hepática grave.

“A presença do vírus AAV2 está associada a hepatite inexplicável em crianças”, disse a professora de doenças infecciosas Emma Thomson, da Universidade de Glasgow, que liderou o estudo escocês, em um comunicado.

Mas ela também alertou que ainda não era certo se o AAV2 estava causando a doença ou se era um biomarcador para a infecção por adenovírus subjacente que é mais difícil de detectar, mas era o principal patógeno.

Sem relação com o coronavírus

Ambos os artigos foram publicados online em servidores de “pré-impressão” e ainda aguardam revisão por pares (outros pesquisadores) antes de serem publicados em periódicos científicos.

Os dois estudos analisaram pacientes que adquiriram hepatite e aqueles que não adquiriram, descobrindo que o AAV2 estava presente principalmente naqueles que contraíram a doença, não naqueles que não contraíram.

O estudo escocês testou ainda os genes de crianças que ficaram doentes e aquelas que não ficaram, aprimorando as diferenças em seu Antígeno Leucocitário Humano que podem explicar por que algumas são mais suscetíveis do que outras.

Ambas as equipes descartaram a infecção recente ou anterior pelo coronavírus como causa direta.

Nenhum coronavírus foi encontrado nos fígados dos pacientes e, embora o estudo escocês tenha descoberto que dois terços dos pacientes tinham anticorpos contra o vírus da Covid-19, essa taxa era semelhante à prevalência geral da população entre as crianças naquela época.

Não está claro por que os casos de hepatite aumentaram recentemente, mas ambas as equipes ressaltaram a possibilidade de que os bloqueios possam ter contribuído, seja diminuindo a imunidade em crianças ou alterando os padrões de circulação do vírus.

Thomson disse que também é importante “entender mais sobre a circulação sazonal do AAV2, um vírus que não é monitorado rotineiramente”.

“Pode ser que um pico de infecção por adenovírus tenha coincidido com um pico de exposição ao AAV2, levando a uma manifestação incomum de hepatite em crianças suscetíveis”.

Com informações O Globo

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS