Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Governador do Acre vai cobrar doses extras de vacina contra a Covid-19 prometida por ex-ministro Pazuello

Governador Gladson Cameli disse que acréscimo foi prometido após estado ceder doses para o Amazonas (AM). Outra promessa garantia acréscimo de compensação pela área de fronteira, mas que ainda não foi dado pelo Ministério da Saúde.
Acre tenta garantir doses adicionais prometidas pelo governo federal  — Foto: Diego Gurgel/Secom

Acre tenta garantir doses adicionais prometidas pelo governo federal — Foto: Diego Gurgel/Secomhttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

O governador do Acre, Gladson Cameli, falou, em entrevista ao Jornal do Acre 1ª edição desta quarta-feira (28), que o estado ainda não recebeu as doses a mais de vacinas contra a Covid-19 prometidas pelo governo federal. Um desses acréscimos era de 10% pelo empréstimo de doses para o Amazonas (AM), no mês de janeiro.

Esse acordo foi feito com o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Na época, o estado amazonense vivia um colapso na saúde com falta de oxigênio e de leitos. O empréstimo de doses de outros estados era para acelerar o processo de imunização no Amazonas.

O outro trata de um acréscimo de compensação pelas áreas de fronteiras, prometido pelo atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em reunião com Cameli no final do mês de março em Brasília(DF).

Cameli afirmou que vai cobrar do governo federal as doses prometidas ao Acre.

“Estou cobrando do governo federal uma porcentagem a mais que foi prometida para nós e não vou ficar de braços cruzados, porque foi prometido 10% a mais se a gente cedesse uma parte [da vacina] para o Amazonas naquela época. Não foi só para mim, mas para outros estados. Principalmente também por a gente ser fronteira – Acre, Mato Grosso do Sul, Roraima e o Amazonas – que teríamos uma porcentagem a mais para que a gente possa imunizar as famílias”, declarou.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

G1 entrou em contato com o governo federal e aguarda um posicionamento do Ministério da Saúde.

Vacina russa

O governador acreano falou ainda sobre a vacina Sputnik V’, produzida na Rússia, e que teve o pedido de importação negada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na segunda (26). Em março, Cameli assinou um contrato para a compra de 700 mil doses da vacina Sputnik V. O contrato era no valor de R$ 40 milhões e a compra seria feita por meio do consórcio dos governadores do Nordeste e Fundo Soberano Russo.

Cameli disse que aguarda um posicionamento do consórcio de governadores para saber que atitude deve tomar para garantir as doses. Ele acrescentou que os governadores interessados no lote estão tentando de todas as formas garantir a vacina.

“Isso é uma situação que nos deixa com várias dúvidas. A comissão de governadores foi à Rússia, viu de perto que a eficácia da vacina procede. O que nos causa estranheza é que para uns serve e para outros não. Só quero entender quando vamos acabar com essa situação, porque estamos perdendo vidas”, frisou.

Via G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas