Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Fusão DEM/PSL abre guerra fria entre Alan e Márcia Bittar por candidatura ao Senado

_________________Publicidade_________________

A fusão entre DEM e PSL, prevista para acontecer até o fim do ano, deve acirrar nos bastidores a disputa pela candidatura ao Senado entre Márcia Bittar e o deputado federal Alan Rick (DEM). 

No Acre, a junção entre as duas siglas será comandada pelo senador Márcio Bittar, que deseja ver Márcia, sua ex-esposa disputando o Senado nas eleições de 2022, porém Alan é empurrado pelas pesquisas a concorrer ao cargo e não vai aceitar qualquer imposição, embora diga não ter a intenção de entrar em bola dividida.

Alan afirmou que vai ajudar na fusão e sugere que o processo no Acre seja conduzido com “equilíbrio, calma, sem açodamento e sem querer ninguém impor nada”. O parlamentar alerta: “Se alguém começar a querer impor, aí implode todo esse processo. Tem que ter respeito pelo tamanho de cada um. Respeito pelas pesquisas, respeito pela viabilidade eleitoral de cada um. Não quero sair do Democratas, não vou sair, vou ajudar o partido, vou ajudar essa fusão, acho que é boa para os partidos”.

Alan Rick argumenta que no Acre o DEM é “infinitamente” maior que o PSL. Além de contar com ele, deputado federal, a sigla conta com 18 vereadores, um deputado estadual e comanda a prefeitura de Capixaba.

“Com todo respeito ao PSL, um partido gigante em nível nacional, mas no estado do Acre o Democratas é muito maior em termos de representatividade político/partidária.”

Em seu segundo mandato de deputado federal, Alan Rick está em plena pré-campanha para o Senado e seu projeto é apoiado pela direção nacional do DEM.

“Não sou candidato de mim mesmo. Uma candidatura majoritária é construída ouvindo a sociedade, ouvindo as pessoas, e é o que eu tenho feito. Eu estava com a minha candidatura à reeleição bem e encaminhada e de repente muita gente me procurou dizendo que eu tinha que sair ao Senado, e eu comecei a ouvir as pessoas, analisar o cenário, e aí começaram a surgir as pesquisas. Se as pesquisas mostrarem que eu não estou bem eu recuo, não tenho problema nenhum, mas se mostrarem que o nosso nome é viável, aí eu vou obviamente tentar dentro do contexto do novo partido.”

Via – Notícias da Hora

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas