Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Francês sem os dois antebraços tenta atravessar a nado o Lago Titicaca, entre Bolívia e Peru

_________________Publicidade_________________

O francês Théo Curin, de 21 anos, embarcou em um desafio inédito: atravessar a nado 122 km do Lago Titicaca, que tem águas geladas e é o lago navegável mais alto do mundo, a 3,8 mil metros de altitude.

A travessia na fronteira entre Bolívia e Peru começou na quarta-feira (10) e deve durar dez dias.

“São muitas emoções”, disse Curin, que teve seus membros amputados aos seis anos devido à meningite.

O francês é nadador paralímpico e ficou em quarto lugar nos 200 metros livres nos Jogos Paralímpicos da Rio-2016. Ele também foi duas vezes vice-campeão mundial.

Parceiros de jornada

Curin tenta o feito junto com mais dois nadadores e começou a travessia na praia da cidade boliviana de Copacabana. Seu destino são as Ilhas Uros, na baía de Puno, no Peru.

Os companheiros de equipe de Curin são a ex-nadadora olímpica Malia Metella, de 39 anos, que está aposentada das piscinas há 11 anos, e Matthieu Witvoet, de 27, que se define como “ecoaventureiro”.

Para se prepararem para a travessia do Titicaca, que também é poluído, o trio treinou por 13 meses no lago francês Matemale, na cordilheira dos Pirineus.

Objetivo nobre

Os atletas vão nadar se revezando em turnos, acompanhados por um bote construído com resíduos, e seu objetivo é passar uma mensagem sobre o cuidado com o meio ambiente.

Durante a viagem, eles vão filtrar a água do lago para beber e armazenar os alimentos em sacolas reutilizáveis, para não gerar resíduos poluentes.

Dez atletas da Federação Boliviana de Natação nadaram com a equipe durante os primeiros quilômetros do trajeto.

Reconhecimento local

Antes de pular na água, Curin e seus companheiros receberam o reconhecimento das autoridades locais e a bênção de um amauta — ou sábio aimará.

O sábio atirou pétalas brancas sobre o trio, em um ritual de oferenda à Cota Mama (Mãe Água), para pedir por sua proteção.

O francês Theo Curin, que não tem os dois antebraços, recebe o reconhecimento de um vereador do município de Copacabana, na Bolívia, antes de encarar o desafio de atravessar a nado o Lago Titicaca, entre a Bolívia e o Peru, em 10 de novembro de 2021 — Foto: Aizar Raldes/AFP

O francês Theo Curin, que não tem os dois antebraços, recebe o reconhecimento de um vereador do município de Copacabana, na Bolívia, antes de encarar o desafio de atravessar a nado o Lago Titicaca, entre a Bolívia e o Peru, em 10 de novembro de 2021 — Foto: Aizar Raldes/AFP

Via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas