14 de agosto de 2022   |   23:53  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Fórum de Governadores mostra preocupação com proposta de teto nacional do ICMS

No caso específico do Acre, o impacto seria de, aproximadamente, R$ 200 milhões. Os combustíveis representam 20% da arrecadação total do ICMS. Com essa grande perda de receita,

_________________Publicidade_________________

Durante reunião extraordinária, realizada por meio meio de videoconferência, nesta segunda-feira, 23, o Fórum Nacional de Governadores demonstrou receio com a possibilidade de aprovação do Projeto de Lei Complementar 18/2022, que trata sobre o limite da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Pela proposta, o ICMS incidido sobre os combustíveis não poderá ultrapassar 17%. Em caso de aprovação, os governos dos 26 estados e Distrito Federal estimam perdas financeiras na ordem de R$ 65 bilhões, até o fim de 2022.

No caso específico do Acre, o impacto seria de, aproximadamente, R$ 200 milhões. Os combustíveis representam 20% da arrecadação total do ICMS. Com essa grande perda de receita, diversos investimentos em políticas públicas voltadas à população ficarão comprometidos.

Por meio de videoconferência, Fórum Nacional de Governadores debateu alternativas para evitar votação de projeto de lei complementar que estabelece teto ao percentual do ICMS. Foto: Reprodução

“Os recursos provenientes do ICMS ajudam a custear a saúde, educação, obras e a folha de pagamento dos servidores públicos. Além disso, os municípios também serão prejudicados, já que as prefeituras recebem 25% de tudo que é arrecadado”, explica Amarísio Freitas, secretário de Estado da Fazenda, que representou o governador Gladson Cameli na reunião virtual.

Um dos principais argumentos em defesa da fixação do percentual é frear os constantes aumentos no preço dos combustíveis. Tese contestada pelo titular da Sefaz.

“Congelamos o imposto sobre os combustíveis em novembro do ano passado, mas os aumentos continuam. De janeiro a abril, o barril do petróleo subiu 47%. O que precisa ser revisto é a política de preços adotada pela Petrobras”, argumentou.

O projeto de lei complementar deve ser votado nesta terça-feira, 24, na Câmara dos Deputados. De acordo com Amarísio Freitas, representantes do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) tentarão sensibilizar a mesa diretora da casa para adiar a votação e debater alternativas que não sejam prejudiciais aos estados e municípios.

“Vamos em busca do diálogo para que possamos encontrar a melhor saída possível em relação a esse impasse. O governo do Estado fez todo um planejamento de investimentos e não deseja que a população seja prejudicada por conta dessa mudança”, concluiu.

Por Agência Acre

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS