Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Félix Verdejo: caso do boxeador olímpico acusado de matar amante grávida causa revolta em Porto Rico

O boxeador Félix Verdejo, apelidado de "O Diamante", permanecerá na prisão sem fiança acusado de sequestrar e matar Keishla Rodríguez Ortiz, uma mulher grávida de 27 anos cujo corpo foi encontrado no último sábado.

“Justiça para Keishla!”

O pedido é de Bereliz Rodríguez, irmã de Keishla Rodríguez Ortiz, uma mulher grávida de 27 anos que desapareceu em Porto Rico na quinta-feira passada (29) e cujo corpo foi encontrado no sábado (1º) sob uma ponte na lagoa de San Juan, capital de  Porto Rico.

E o suspeito de matá-la é o famoso boxeador porto-riquenho Félix “Diamante” Verdejo. Ele é acusado de sequestro com resultado em morte, furto violento de veículo com resultado de morte e homicídio de um nascituro, acusações pelas quais pode receber pena de morte.

Verdejo, também de 27 anos, é lutador da categoria peso-leve e competiu nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012.

O crime chocou os cidadãos de Porto Rico, um arquipélago que fica no Caribe e é um Estado autônomo, associado aos Estados Unidos. O corpo da jovem foi identificado primeiro por meio de registros odontológicos, segundo o Instituto de Ciências Forenses de Porto Rico, e depois por sua família.

Verdejo se entregou às autoridades no domingo (9) depois de se recusar a colaborar com as investigações, segundo a polícia. No dia seguinte, a Justiça decidiu que ele ficaria preso sem fiança.

O caso chocou os cidadãos da ilha. A investigação está sendo conduzida pela divisão do FBI de Porto Rico em colaboração com a polícia local.

Dezenas de pessoas bloquearam a ponte Teodoro Moscoso, sob a qual o corpo da jovem foi encontrado, para lembrar a vítima e protestar por mais um episódio de violência contra as mulheres. No final de janeiro, o governador de Porto Rico, Pedro Pierluisi, declarou estado de emergência na ilha pelo elevado número de casos de agressões e mortes de mulheres.

De acordo com o relatório do desaparecimento, Rodríguez Ortiz conversou pela última vez com sua mãe, Keila Ortiz, por volta das 7 horas da manhã de quinta-feira (29).

Ortiz disse ao jornal “El Nuevo Día” que, nessa última conversa, a jovem lhe disse que Verdejo estava a caminho para irem juntos ver o resultado do teste de gravidez.

A família de Keishla Rodríguez Ortiz relatou seu desaparecimento na noite de quinta-feira passada — Foto: EPA/BBC

A família de Keishla Rodríguez Ortiz relatou seu desaparecimento na noite de quinta-feira passada — Foto: EPA/BBC

“Eu disse a ela ‘tome cuidado’ porque ele a ameaçou para que não tivesse o bebê, dizendo que tinha família, que era boxeador, uma figura pública”, disse Ortiz Rivera ao jornal porto-riquenho.

Agentes das forças de segurança rastrearam os dados no celular da jovem para descobrir quais foram seus últimos passos e com quem ela falou antes de desaparecer.

Informações do telefone de Rodríguez Ortiz levaram as autoridades a Verdejo e à ponte. Os policiais também interrogaram a esposa do boxeador, que disse saber sobre a relação de Verdejo com Rodríguez Ortiz.

Uma testemunha decisiva

A investigação do assassinato de Keishla Rodríguez Ortiz progrediu rapidamente principalmente por causa da colaboração de uma testemunha que teria ajudado o autor do crime e que, depois, fez uma confissão ao FBI.

A jovem tinha 27 anos — Foto: Instagram/BBC

A jovem tinha 27 anos — Foto: Instagram/BBC

O FBI descreve a testemunha como alguém “com conhecimento de primeira mão” sobre o que aconteceu. Sua identidade não foi divulgada.

Em seu depoimento, a testemunha acusou o boxeador olímpico Verdejo de cometer o crime.

A BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, entrou em contato com o escritório do FBI, que enviou o documento oficial contendo a denúncia.

De acordo com a denúncia federal assinada pelo agente especial do FBI Lorenzo Vilanova Pérez, o boxeador profissional entrou em contato com a testemunha e pediu sua ajuda “para acabar com a gravidez”.

Félix Verdejo Sánchez compete na categoria peso-leve — Foto: Getty Images/BBC

Félix Verdejo Sánchez compete na categoria peso-leve — Foto: Getty Images/BBC

Sempre de acordo com o depoimento, Verdejo, a testemunha e Rodríguez Ortiz se encontraram na noite de quinta-feira no veículo preto do boxeador.

A certa altura, ainda dentro do carro, Verdejo golpeou a jovem no rosto e injetou-lhe “uma seringa com substâncias” que não foram detalhadas na denúncia.

Então Verdejo e a testemunha amarraram as mãos e os pés de Keishla Rodríguez Ortiz com cabos.

Também amarraram um peso a ela, de acordo com a acusação, e colocaram o corpo no veículo que ela havia dirigido para se encontrar com Verdejo.

O boxeador e a testemunha dirigiram os dois veículos em direção à Ponte Teodoro Moscoso, perto da capital porto-riquenha.

Lá, os dois homens jogaram o corpo da mulher na lagoa San José. Mais tarde, eles abandonaram o carro dela. O veículo foi encontrado no dia seguinte.

O FBI conseguiu apurar que Verdejo e Rodríguez Ortiz se comunicaram por telefone no dia do sequestro.

Imagens de uma câmera de segurança mostram um carro semelhante ao do boxeador estacionado na via de emergência da ponte, corroborando o depoimento da testemunha e as suspeitas expressas pela família da jovem.

Sem fiança

Na segunda-feira (3), Verdejo compareceu perante uma juíza virtualmente. Ele falava de uma prisão federal.

Félix Verdejo Sánchez, apelidado de "Diamante", competiu nas Olimpíadas de Londres de 2012 — Foto: Getty Images/BBC

Félix Verdejo Sánchez, apelidado de “Diamante”, competiu nas Olimpíadas de Londres de 2012 — Foto: Getty Images/BBC

“Devido à natureza das acusações e às circunstâncias do caso, senhor Verdejo, o senhor continuará detido sem fiança”, ordenou a juíza.

Foi a audiência inicial, em que o Verdejo ainda não tinha de se declarar culpado ou inocente.

A Top Rank, empresa de Las Vegas que agencia o boxeador, removeu a página de Verdejo de seu site e divulgou um comunicado na noite de sábado (1):

“Os pensamentos e orações da Top Rank estão com a família e amigos de Keishla Marlen Rodríguez Ortiz e o povo de Porto Rico neste momento de luto. Estamos profundamente incomodados com a notícia e continuaremos acompanhando a evolução do caso.”

Via-G1

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Redação Juruá Online

Redação Juruá Online

Notícias Relacionadas