3 de julho de 2022   |   15:06  |  

booked.net

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Falta de medicamentos básicos como dipirona, afeta todos os estados do país

O Ministério da Saúde informou que trabalha com a Anvisa para articular ações de emergência afim de resolver a situação.

_________________Publicidade_________________

Ainda sob os efeitos da pandemia de Covid-19, tanto na saúde quanto no abastecimento de mercadorias, cidades do país enfrentam falta de medicamentos.

Segundo o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), uma ausência é comum a todos os estados: da dipirona monoidratada 500mg injetável.

O remédio é um dos mais utilizados na rede de saúde, indicado para o tratamento de dor e febre.

No Acre, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), recebeu uma doação de 200 mil bolsas de paracetamol injetável, enviada pea Halexistar, indústria farmacêutica com sede em Goiânia (GO).

“A alta dependência de matéria-prima que vem da Índia e da China, os maiores produtores do mundo vêm ocasionado esse problema. Os países estão em recessão por conta da covid-19. Somado a isso, temos outro problema de desorganização no sistema de produção da indústria farmacêutica. Faltam também insumos. Frascos, vidros, blister, conta-gotas. Às vezes, a indústria tem matéria-prima, mas falta o que embala o produto”, explicou a chefe do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAFI), Priscila Nogueira.

Outros problemas são os critérios impostos pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), que é o órgão interministerial responsável pela regulação econômica do mercado de medicamentos no Brasil e a Anvisa exerce o papel de Secretaria-Executiva da Câmara.

A CMED estabelece limites para preços de medicamentos, adota regras que estimulam a concorrência no setor, monitora a comercialização e aplica penalidades quando suas regras são descumpridas.  É responsável também pela fixação e monitoramento da aplicação do desconto mínimo obrigatório para compras públicas.

Como existem passos a serem seguidos, o governo não poderia comprar diretamente o medicamento de uma determinada farmácia, existe uma burocracia a ser seguida até o fechamento da compra, isso ocorre justamente para resguardar o uso indevido do dinheiro público.

Com informações Agência de Notícias do Acre

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

LEIA MAIS